Sem categoria

Plastic pollution discovered on ice floes near the North Pole

Postado em

Scientists on an expedition led by polar explorer Pen Hadow have discovered plastic pollution lying on remote frozen ice floes in the middle of the Arctic Ocean.

The discovery shows how far plastic pollution has spread, prompting fears that new plastic waste is flowing into the Arctic as the ice melts due to climate change. The thaw is also releasing plastic pollution long trapped in the frozen ice into the Arctic environment.

A team of scientists led by marine biologist Tim Gordon of the University of Exeter carried out research on two sailing boats as part of acclaimed polar explorer Pen Hadow’s ‘Arctic Mission’. Hadow is the only person to have trekked solo, without resupply, from Canada to the Geographic North Pole.

The pioneering expedition went further into the international waters of the Central Arctic Ocean than any other yachts in history, which was made possible because of recent reductions in summer ice cover in the Arctic. Rates of ice melt have increased dramatically due to climate change, with 40% of the Central Arctic Ocean now navigable in summer months.

Unlike conventional icebreaker research ships, the yachts navigated in narrow naturally-formed channels between ice floes to access habitats with minimal disturbance. Gliding through the water in relative silence, without the loud engines of large ships, reduced their levels of disruption to wildlife.

The Arctic Mission team was surprised to discover blocks of polystyrene in areas that are many hundreds of miles from land and were until recently covered by ice all year round. Two large pieces were spotted on the edge of ice floes between 77 and 80*N, in the middle of the international waters of the Central Arctic Ocean, within 1,000 miles of the North Pole.

Large plastic pieces such as this can break down into ‘microplastics’ – tiny particles of plastic that are accidentally consumed by filter-feeding animals. The plastic particles can stay in animals’ bodies and are passed up the food chain, threatening wildlife at all levels from zooplankton to apex predators such as polar bears.

Explorer Pen Hadow said he had never seen blocks of plastic waste before on the Arctic sea ice: “For the 25 years I have been exploring the Arctic I have never seen such large and very visible items of rubbish,” he said. “The blocks of polystyrene were just sitting on top of the ice.”

Tim Gordon added: “Finding pieces of rubbish like this is a worrying sign that melting ice may be allowing high levels of pollution to drift into these areas. This is potentially very dangerous for the Arctic’s wildlife.” >

The team will now test samples of Arctic seawater, collected during their pioneering voyage, for ‘microplastics’ – tiny particles of plastic less than 5 mm in size. They will assess whether microplastics are being released from the ice as its melts, and measure the extent of plastic pollution in the Arctic Ocean.

Estimates suggest there are over 5 trillion pieces of plastic floating on the ocean surface. It has been suggested there is now enough plastic to form a permanent layer in the fossil record.

Dr Ceri Lewis, scientific adviser to the expedition based at the University of Exeter, has previously warned that people produce around 300 million tons of plastic a year, which is roughly the same weight as all the humans on the planet. Around half of the plastic produced is used once and then thrown away.

Dr Lewis, senior lecturer in marine biology at the University of Exeter, who will be analysing the Arctic water samples for plastic said:  “Many rivers lead into the Arctic Ocean that are often a source of plastic pollution, but plastic pollution has been literally trapped into the ice. Now the ice is melting we believe microplastics are being released into the Arctic.  The Arctic is thought to be a hot spot of microplastics accumulation due to the number of rivers that empty into the Arctic basin, yet we have very little data to support this idea in the more northerly parts of the Arctic Ocean. This is really important data to collect as the Arctic supports many key fisheries which might be impacted but the presence of microplastics.”

The Arctic Mission team used nets with holes smaller than a millimetre across to look for microplastics in the environment. They will now analyse these samples in the laboratory to evaluate current levels of pollution in the Arctic and its likely impacts on wildlife. These baseline measurements will also be important in years to come to track changing pollution levels as the Arctic’s summer ice cover continues to retreat. All data will be comprehensively analysed before detailed findings are published in scientific journals over the next year.

The ‘Arctic Mission’ expedition represented an international collaboration of academics from the UK, USA, Norway and Hong Kong, conducting research on the impact of melting ice on the Arctic Ocean’s wildlife. The on-board scientific team, led by marine biologist Tim Gordon from the University of Exeter, carried out a multitude of tests to gauge emerging threats. The results of their investigations, and the study of samples taken, will help highlight emerging threats to a rapidly-melting Arctic Ocean, guiding future management strategies to protect polar wildlife.

Packed with scientific equipment, the yachts crossed thousands of miles of remote open sea, facing oceanic storms, close encounters with polar bears, and the perpetual threat of shifting ice floes trapping and crushing their yachts.

Gordon said: “Sailing into the Central Arctic Ocean has allowed us to study this ecosystem as never before. Without the usual disturbance of large ships’ roaring engines and ice-breaking hulls, we have gained unique insights into this special and rapidly-changing ecosystem.”

Some projections indicate that the entire Arctic Ocean will be ice-free in summer by 2050. This will allow human exploitation of the newly-opened waters, posing a range of new threats to Arctic wildlife.

Gordon added:  “The Arctic Ocean’s wildlife used to be protected by a layer of sea ice all year round. Now that is melting away, this environment will be exposed to commercial fishing, shipping and industry for the first time in history. We need to seriously consider how best to protect the Arctic’s animals from these new threats. By doing so, we will give them a fighting chance of adapting and responding to their rapidly-changing habitat.”

The team are also investigating the impact of man-made noise pollution on Arctic marine life and mammals, which can be particularly sensitive to sound. In a world where the sun doesn’t rise for months on end in winter and is blocked by ice cover at other times of the year, many animals rely on sound, rather than sight, for their daily lives.

The Arctic Mission team used underwater loudspeakers and microphones to understand how sound travels through the polar seas, and how this might be impacted by ice loss.

Arctic cod, beluga whales, ringed seals and walruses use a range of sounds to communicate in the underwater darkness. Narwhals hunt for fish a mile below the surface using bio-sonar, emitting 1000 high-pitched clicks every second and listening to their reflected echoes; much the same way that bats do.

Gordon warned that noise pollution due to the rapid growth in shipping and industry in the region could have serious consequences for these animals.

He said:  “Arctic animals that ‘see’ by sound are about to be blinded by noise. If commercial shipping routes open up across the top of the world, their roaring engines could drown out and even deafen acoustically-specialised polar animals, leaving them unable to function. By limiting shipping access to certain areas and using modern technology to reduce engine noise, we could stop this happening and protect the Arctic’s unique wildlife.”

Professor Steve Simpson, an expert in bioacoustics and noise pollution at the University of Exeter, who is supervising Gordon’s research, said:

“It is critical that we establish baseline natural recordings in this newly exposed oceanic environment. These recordings will allow us to understand how human activities are changing the soundscape of the summer Arctic, and assess the success of future noise management in this unique acoustic world.”

On-board wildlife biologist Heather Bauscher said: “The Arctic is a unique environment with a variety of extraordinary animals that rely on seasonal sea ice cover. Increasing ice melt and the opportunities that this facilitates for commercial activities in the region may have serious consequences for the whole ecosystem. Quality research along with the development of sound management strategies are necessary to protect the Arctic’s wildlife, this is crucial at a time of such dramatic change.”

Anúncios

Proibir plásticos de utilização única pode pôr em risco segurança alimentar – associação setor

Postado em

A proibição da venda de produtos de plástico de utilização única é “uma medida impulsiva” que pode pôr em risco a segurança alimentar e dos consumidores, diz a Associação Portuguesa da Indústria de Plásticos (APIP).

Lusa

No dia em que o Parlamento Europeu (PE) aprovou uma proposta que prevê a proibição, a partir de 2021, da venda de produtos de plástico de utilização única, a APIP diz, num comentário enviado à Lusa, que a medida pode pôr em causa a saúde pública.

Segundo a proposta do PE, será proibida a venda de pratos, talheres, cotonetes, palhinhas, agitadores para bebidas e varas para balões, ente outros produtos.

Segundo a APIP a utilização de produtos plásticos descartáveis cinge-se a um nicho de mercado muito específico, numa função prática e essencialmente de “segurança, higiene e saúde pública”, pelo que proibi-la pode por em risco a “saúde pública”.

“Informamos ainda que já existem no mercado embalagens produzidas pelos nossos associados, fabricadas com 70% de material reciclado, incluindo material pós-consumo”, diz a APIP no comentário enviado à Lusa, no qual considera que ainda é prematura uma solução para o problema do lixo de plástico baseada no biodegradável.

A APIP avisa ainda que há situações em que muito dificilmente se consegue substituir a loiça descartável, como em hospitais ou lares, por questões de segurança sanitária, ou prisões, por questões segurança das pessoas, ou ainda aviões ou locais de restauração rápida ou de grande aglomerado de pessoas.

A proposta do Parlamento Europeu foi aprovada por 571 votos a favor e apenas 53 contra.

Contactada pela Lusa a propósito da medida, Pedro Carvalho, da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) disse que as medidas vão ser analisadas e lembrou que foi lançada pela associação em maio passado a iniciativa “Menos Plástico, Mais Ambiente”, para sensibilizar restauração e população para a importância de minimizar impactos ambientais na utilização de plástico descartável.

“É claro que as grandes mudanças nunca são fáceis para as empresas, por isso, entendemos que é necessário dar-lhes tempo e toda a informação necessária para que possam adaptar-se às novas exigências”, diz a AHRESP, citando Pedro Carvalho, coordenador do departamento de investigação, planeamento e estudos.

A campanha “Menos Plástico, Mais Ambiente”, acrescentou, foi o primeiro passo da AHRESP para “a preparação dos empresários para a aplicabilidade” de novas medidas, sendo que a associação defende “políticas que incentivem as boas práticas e a mudança de comportamentos”.

Natura decide cortar a carne do cardápio às segundas-feiras

Postado em

Expectativa é que todas as refeições às segundas se tornem 100% veganas, ou seja, sem nenhum alimento de origem animal, como leites, ovos e outros derivados

São Paulo – A gigante dos cosméticos Natura aderiu ao movimento “Segunda Sem Carne” e, como sugere o nome, deixará de servir carne nos seus restaurantes em todo o Brasil às segundas-feiras.

No lugar de proteína animal, entrarão combinações de proteína vegetal, como cogumelos, lentilhas e grão-de-bico. Com a investida, a empresa espera estimular “hábitos mais sustentáveis” entre os seus 4,5 mil funcionários.

O movimento “Segunda sem carne” está presente em mais de 40 países e, por aqui, é promovido pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), parceira da Natura nessa investida.

O processo de implementação se dará por etapas para permitir a adaptação. Na primeira fase, que começou nesta semana, saíram de cena as carnes bovina e suína. Em Cajamar (SP), por exemplo, onde fica a fábrica da Natura, a estrela do cardápio de estreia foi um hambúrguer de cogumelo shimeji.

Para isso, a equipe de nutricionistas, chefs e cozinheiros da empresa foram capacitados em parceria com especialistas da SVB a produzir receitas que substituam a proteína animal pela vegetal, preservando o equilíbrio de nutrientes, textura e sabor.

Segundo a coordenadora de sustentabilidade da Natura, Paula Contim, a iniciativa “encantou” a empresa porque “tem tudo a ver com uma grande causa” da marca, que é a preservação da Amazônia: “A gente sabe do impacto ambiental que a pecuária extensiva causou na Amazônia”, diz a executiva sobre o projeto.

Segundo a empresa, com a implementação da Segunda Sem Carne, a Natura estará ajudando a preservar, por ano, o equivalente a aproximadamente 500 hectares de vegetação — o tamanho de dois Parques Ibirapuera, em SP — e a economizar 5 milhões de litros de água — ou 40 mil de banhos de 15 minutos.

Além disso, será evitado o consumo de 1,5 milhão de kg de grãos de soja, que normalmente vão para produção de ração animal, e reduzidas as emissões de gases do efeito estufa em 1,5 milhão de kg — o mesmo que retirar de circulação 330 mil carros ao longo de um ano.

 

Las comunidades de avifauna y vegetales más valoradas se recuperan en las Tablas de Daimiel

Postado em

Las comunidades de avifauna y vegetales más valoradas se recuperan en las Tablas de Daimiel

Las comunidades de vegetación y de avifauna más valoradas del Parque Nacional de Las Tablas de Daimiel se han recuperado en los últimos meses al reducirse la presencia de especies piscícolas invasoras como la carpa y el percasol que venían agravando la contaminación del agua.

El director del Parque Nacional de Las Tablas de Daimiel, Carlos Ruiz de la Hermosa, ha explicado que, a pesar de la reducción del número de hectáreas inundadas, hay que destacar de manera muy notable que han vuelto a aparecer praderas de carófitos, también conocidas como ovas, que llevaban desaparecidas desde 2012 por la contaminación.

Recuperación de comunidades

El grueso de esta superficie se sitúa en los tablazos centrales, de donde desaparecieron en el verano de 2010, ha explicado a Efe.

Se estima una superficie con ovas de unas 190 hectáreas de terreno, que supone aproximadamente un 20 % de la superficie inundada en el año hidrológico 2017/18.

En la actualidad se mantienen las praderas presentes en la zona de Las Cañas y se ha secado el resto de la superficie donde se habían desarrollado.

TABLAS DE DAIMIEL, RieSGO

Vista del Parque Nacional de Las Tablas de Daimiel. EFE/Mariano Cieza Moreno

A pesar de esta mejora se mantiene la turbidez del agua como principal problema de la calidad del agua en otras zonas del parque, como las áreas de influencia directa del Guadiana.

En cualquier caso, ha destacado que la aparición de poblaciones de praderas de carófitos es uno de los aspectos más importantes para la conservación del parque, a lo que ha contribuido, sin duda, la ausencia de episodios de contaminación este año y la desecación de algunas zonas del parque.

Especies invasoras

También, en alguna medida, ha advertido, han sido importantes los trabajos de pesca de carpas y otras especies invasoras, que han contribuido a la recuperación de las praderas de ovas.

El efecto en cuanto a la fauna, ha indicado, se ha traducido en que en los últimos censos de nidificantes se ha comprobado un incremento del número de parejas nidificantes de pato colorado, hasta las 160 o 170 parejas, con un aumento del 50 % respecto al año pasado, cuando había entre 900 y 100 parejas.

La cría de estas parejas ha sido muy buena, con polladas medias de 4 pollos, un hecho que pone de manifiesto la relación que el pato colorado tiene con la recuperación de las praderas de carófitos, desaparecidas desde hace años por los episodios de contaminación sufridos.

Otra especie que ha experimentado un notable incremento en el parque es la garceta grande, se mantiene además la tendencia positiva del número de parejas de porrón pardo, con entre 12 y 15 parejas, y también mantiene la tendencia creciente el cormorán.

Desaparición de especies

En la parte negativa, ha señalado, se podría resaltar la casi desaparición de la garcera como se entendía hasta ahora, ya que sólo ha criado bien la espátula, con caídas muy importantes de martinete, garceta común y garcilla bueyera, y tampoco ha criado la garcilla cangrejera y ha disminuido algo la garza imperial.

En la actualidad, ha apuntado Carlos Ruiz, el parque se encuentra recibiendo la aves invernantes como la garza real, el pato cuchara o la cerceta común, además de las grullas que encuentran en Las Tablas de Daimiel un dormidero de primer nivel durante su invernada.

De hecho, la entrada a dormidero de las grullas al atardecer se ha convertido en un gran reclamo turístico del parque nacional, pues su población suele alcanzar miles de ejemplares. EFEverde

Demanda mundial por papel higiênico amplia desmatamento no cerrado brasileiro

Postado em

Produtores de eucalipto mudaram-se da Mata Atlântica para o cerrado, aumentando a grilagem de terras em comunidades indígenas e quilombolas e incentivando o desmatamento. A madeira produzida é comprada pela Suzano, que fabrica celulose e vende para grandes marcas internacionais

Durante décadas, dezenas de famílias viveram pacificamente na pequena comunidade de Forquilha, no interior do Maranhão. Ali, no sertão brasileiro, os moradores costumavam plantar sua comida e criar seus animais. Há cerca de sete anos, porém, um empresário abastado instalou-se na região e começou a converter a vegetação nativa em plantações de eucalipto. Se tudo corresse como o planejado, ele venderia as árvores para a Suzano, multinacional produtora de celulose e papel. É a gigante da celulose que alimenta grandes marcas internacionais, como a Kleenex, famosa por seus lenços de papel.

Em 2014, porém, Forquilha tornou-se uma cidade violenta. Homens armados que patrulhavam a cidade entraram ilegalmente nas casas das pessoas, destruíram móveis e ameaçaram matar moradores. Os bandidos vieram com uma mensagem: Renato Miranda, o empresário produtor de eucalipto, sempre fora dono daquelas terras e a comunidade teria invadido ilegalmente sua propriedade. Moradores foram informados de que tinham oito dias para arrumar seus pertences e sair.

“Ninguém sabia para onde ir, todos estavam apavorados, desesperados”, lembra Antônia Luís Ramalho Lima, esposa e mãe de 54 anos que ainda mora em Forquilha.

A violência aumentou. Homens armados sequestraram pai e filho, levaram-nos para um rio próximo e ameaçaram assassiná-los – a não ser que a família abandonasse sua casa. Três idosos da comunidade morreram naquele ano; eles haviam sido ameaçados dias antes da morte. Não tendo para onde ir, moradores permaneceram em suas casas. Ainda hoje, muitos deles vivem deprimidos e com medo.

" title=

Os cidadãos de Forquilha procuraram ajuda da polícia, mas não conseguiram. As tentativas de registrar reclamações com autoridades locais foram ignoradas. “Não pudemos ir à polícia porque ela estava do lado dele [Miranda]”, explicou Marcione Martins Ramalho, mãe de dois filhos. A polícia, comentou Ramalho, acompanhou os bandidos armados em uma de suas visitas.

Finalmente, em 2015, a comunidade recebeu o apoio de Diego Cabral, um advogado que ficou chocado ao saber que um processo na Justiça pedia a expulsão das famílias de suas casas. Cabral entrou com um recurso. Até hoje, o processo não foi julgado. A incerteza reina e moradores temem que as ameaças físicas e psicológicas recomecem.

“Sem terra não há para onde correr. A terra é vida para nós”, disse Marcione.

Assoando o nariz com eucalipto

O terror vivido pelos cidadãos de Forquilha parece distante e desvinculado de nossas vidas diárias. Mas consumidores de lenços e de papel higiênico brasileiros, norte-americanos e europeus no final da cadeia de fornecimento de eucalipto podem estar, sem saber, alimentando conflitos de terras, grilagem, deslocamento violento de comunidades tradicionais e o desmatamento ilegal de grandes áreas de vegetação nativa no Brasil.

As plantações de eucalipto do país são incentivadas pela possibilidade de venda para a Suzano, a quinta maior empresa do Brasil, que em abril iniciou uma compra de US$ 12 bilhões da Fibria, outra grande produtora brasileira de celulose. Uma vez concluída, essa fusão fará da Suzano a maior empresa de papel e celulose do mundo.

A empresa hoje controla mais de 1,2 milhão de hectares no Brasil – entretanto, assim que obter a propriedade da Fibria, supervisionará uma área quase duas vezes maior.

Um dos principais compradores da celulose brasileira é a multinacional norte-americana Kimberly-Clark, fabricante de marcas famosas de papel higiênico e lenços. A Kimberly-Clark confirmou que obtém uma quantidade significativa de celulose de eucalipto no Brasil da Fibria e da Suzano, utilizada para fabricar “produtos de toalhas e lenços de papel, como Scott, Cottonelle, Kleenex e Andrex”.

De acordo com defensores dos direitos humanos e ONGs, os produtores de eucalipto têm explorado regularmente as deficiências nas regulamentações sobre os direitos de terra, enquanto os conflitos têm sido agravados por incentivos e subsídios do governo para a produção de eucalipto.

"

Ativistas no Maranhão alegam que a própria Suzano se comportou de forma semelhante a fazendeiros como Renato Miranda, roubando terras de comunidades tradicionais, deslocando famílias e tornando os meios de subsistência insustentáveis. A Suzano contesta essas alegações.

Eucalipto coloniza o norte

Renato Miranda não foi o único empresário que decidiu começar a plantar eucalipto no Maranhão. Há cerca de uma década, o cultivo da monocultura tornou-se investimento lucrativo na região. Antes, a maioria do eucalipto brasileiro era cultivada na Mata Atlântica. No entanto, a empresa inaugurou sua primeira fábrica de celulose no cerrado em 2015, nos arredores da cidade de Imperatriz, no Maranhão.

A expectativa dos empresários do agronegócio eram altas, achando que o eucalipto logo se tornaria a próxima grande safra do cerrado. Os fazendeiros correram para reivindicar amplas extensões de terra em lugares como Forquilha, às vezes legalmente, outras não.

‘Ninguém sabia para onde ir, todos estavam apavorados’, lembra Antônia Lima, que ainda mora em Forquilha

A própria Suzano também reivindicou terras na região – cerca de 300.000 hectares, segundo o Forum Carajás – embora a empresa tenha se recusado a fornecer um número preciso.

No entanto, a expansão da empresa gerou polêmicas. De acordo com ativistas e acadêmicos, a Suzano reivindicou terras que já estavam sendo usadas por comunidades tradicionais para agricultura de pequena escala e colheita de frutas – seus principais meios de subsistência. A empresa fechou acordos com líderes comunitários para evitar conflitos, apesar de muitos que ali estavam dizerem que a terra, seu principal meio de subsistência, foi prejudicada pela monocultura.

Francisco das Chagas, que administra o Centro de Direitos Humanos no município de Santa Quitéria, no norte do Maranhão, descreveu a chegada da Suzano em 2002 como catastrófica para as comunidades locais. Como muitas comunidades e moradores não tinham tinham a escritura da propriedade, “a Suzano agiu de imediato e se autoproclamou proprietária dessas terras, portando documentos que consideramos falsos”, comentou. “Durante todo o tempo, eles tinham guardas de segurança e policiais ao seu lado”.

De acordo com Chagas, a comunidade Cabeceiro do Rio deixou de existir porque as plantações de eucalipto da Suzano usurparam a terra plana e arável que, antes, era usada para plantio pela comunidade tradicional. Sem ter como produzir na terra, os moradores se viram obrigados a migrarem para cidades e vilarejos vizinhos.

‘Sem terra não há para onde correr. A terra é vida para nós’, disse Marcione Ramalho moradora do cerrado

Em alguns casos, as comunidades tradicionais recorreram com sucesso ao governo local para reafirmar a posse da propriedade que historicamente ocuparam. Em outros casos, juízes simpatizantes aos apelos diretos da Suzano determinaram que as comunidades invadiram a propriedade da empresa e, assim, confirmaram o direito da Suzano à terra. Segundo Chagas, atualmente, existem 23 comunidades em conflito com a Suzano somente em Santa Quitéria.

A Suzano respondeu a essas alegações dizendo: “A Suzano, como outras empresas florestais brasileiras, cumpre rigorosamente todas as leis e regulamentos que envolvem suas atividades comerciais, inclusive no que diz respeito à compra de terras para o plantio de novas culturas”. Leia aqui a nota das empresas.

Paralisação da produção no norte

Apesar da corrida às terras do Maranhão e dos conflitos causados, os sonhos de eucalipto da Suzano no Norte ainda não se materializaram completamente. Muitas das plantações que se espalham pelo estado – plantadas pela empresa e seus empreiteiros – permanecem sem colheita.

José Antônio Gorgen, apelidado de Zezão, um dos mais conhecidos produtores de soja do Maranhão, explicou o porquê: se uma plantação de eucalipto está fora do raio de 300 quilômetros da fábrica de processamento da Suzano, o transporte das árvores é caro demais para ser lucrativo.

Renato Miranda, dono de uma dessas plantações, não vendeu uma única árvore até hoje.

A Suzano não está sozinha nas alegações de roubo de terras contra ela. Acusações semelhantes foram feitas também em relação à principal concorrente da Suzano, a Fibria. A empresa chegou ao estado do Espírito Santo na década de 1960, durante a ditadura militar, deslocando dezenas de quilombos em uma época em que não havia legislação para proteger os direitos à terra.

Uma vez deslocados, os membros da comunidade foram forçados a se dispersar; alguns se estabeleceram na periferia das cidades onde hoje quase todos vivem na pobreza, enquanto outros se juntaram ao movimento dos sem-terra, vagando entre os assentamentos informais e na luta por um pedaço de terra. Das 12 mil famílias quilombolas que viveram na região durante a década de 1960, apenas 1.200 permanecem residindo em pequenas ilhas cercadas por um deserto verde de árvores de eucalipto em desenvolvimento.

O ativista Marcelo Calazans, que trabalha para a Fase, uma coalizão ambiental e social do Espírito Santo, disse que a empresa também desflorestou áreas ao longo da mata ciliar dos rios. O Código Florestal brasileiro proíbe a remoção de vegetação nativa ao longo de rios, córregos, lagos e represas, pois serve como habitat para plantas e animais nativos, ao mesmo tempo em que previne enchentes e escoamento do solo.

A Fibria respondeu que “não adota ou tolera práticas ilegais em suas operações”.

Governo impulsiona e lucra com a indústria da celulose

Especialistas dizem que o governo brasileiro fracassou em grande parte em regulamentar a indústria de celulose e papel e não zelou pela proteção das terras de comunidades tradicionais, embora tenha fornecido apoio financeiro substancial à indústria.

Os proprietários de plantações normalmente recebem subsídios elevados do governo, recuperando cerca de 75% dos custos de produção em três anos. Ao mesmo tempo, o BNDES investiu generosamente em empresas de papel e celulose e tem participações significativas na Suzano e na Fibria. A compra da Fibria pela Suzano fornecerá ao banco aproximadamente R$ 8,5 bilhões, com o BNDES mantendo 11% do controle da companhia combinada.

“É chocante, na verdade, o quanto o governo brasileiro estimula uma concentração de riqueza e poder corporativo”, expressou Simone Lovera, diretora executiva da Global Forest Coalition (GFC), uma aliança internacional de ONGs que defendem os direitos dos povos das florestas.

“Não há nada pior que você possa fazer a uma terra do que plantar eucalipto. E, no entanto, até hoje, [grandes plantações brasileiras de eucalipto] são financiadas pelo financiamento climático como ‘reflorestamento’”, explicou Lovera.

De acordo com o Compromisso Climático do Brasil, estabelecido nos termos do Acordo de Paris de 2015, o governo federal compensará suas emissões de carbono ao reflorestar 12 milhões de hectares, dos quais, apenas 2 milhões serão de florestas nativas, enquanto 10 milhões de hectares serão plantações de monoculturas – incluindo eucalipto.

Os cientistas enfatizam que as plantações de eucalipto suportam pouca biodiversidade, enquanto também sugam grandes quantidades de água, o que pode afetar negativamente o fluxo dos cursos de água e os aquíferos vitais para os agricultores de subsistência. A Suzano e a Fibria refutam essa alegação, afirmando que: “uma pesquisa realizada por especialistas mostra que o consumo de água pelo cultivo de eucalipto não é diferente de outras culturas”.

Mantendo os consumidores globais felizes

“A Suzano não tem medo do governo [brasileiro], tem medo dos consumidores europeus”, disse Calazans. Mais de 70% da receita líquida da empresa é proveniente das exportações para mais de 90 países – apenas para celulose esse percentual sobe para 91%.

A Kimberly-Clark admite abertamente usar a celulose da Fibria e da Suzano para fabricar lenços de papel Kleenex e papel higiênico Andrex, mas disse que “como um dos maiores compradores de celulose de madeira, sabemos que proteger nossas florestas é fundamental para lidar com a mudança climática, conservação da biodiversidade e garantia de uma cadeia de suprimentos saudável e resiliente”.

‘É chocante o quanto o governo brasileiro estimula uma concentração de riqueza e poder corporativo’, analisa Simone Lovera, da Global Forest Coalition

Eles relataram que fizeram uma visita com vários acionistas às plantações de eucalipto da Fibria e da Suzano na Bahia e no Espírito Santo em março, durante a qual constataram que “um progresso significativo está sendo feito pelas empresas, mas [que] há mais trabalho a fazer”.

Claramente, com a população mundial crescendo, a demanda por papel higiênico e lenços de papel também vai disparar, com empresas de celulose e papel, e investidores como o BNDES, querendo aproveitar essa demanda com cada vez mais plantações de eucalipto. Mas, com a mesma clareza, as realidades apresentadas pela Kimberly-Clark e pela Suzano divergem extremamente da realidade dos cidadãos de comunidades tradicionais como Forquilha, onde Maria Sônia Silva de Carvalho ainda treme de medo quando ouve uma van passando à noite.

Essa reportagem foi produzida por meio de uma parceria de republicação entre Repórter Brasil e Mongabay e pode ser lida em inglês aqui.

Fonte: Repórter Brasil

WWF: população de animais das Américas Central e do Sul caiu 89%

Postado em

O declínio no tamanho das populações de animais vertebrados chegou a 60% em 40 anos. Nos trópicos, principalmente nas Américas Central e do Sul, a redução chega a 89% desde 1970. É o que aponta o Relatório Planeta Vivo 2018, que será lançado amanhã (30) pela organização não governamental WWF – Fundo Mundial para a Natureza.

Segundo o coordenador do programa Cerrado e Pantanal da WWF, Júlio César Sampaio, a região tropical, próximo à Linha do Equador, concentra a maior quantidade de vida do planeta, em função da dinâmica de temperatura e das florestas, além de ter as maiores áreas de uso do solo e dos recursos naturais.

“É onde estão localizadas as maiores áreas cultivadas para produção de alimentos. Essa produção, regada a uma forma intensa do uso da terra, tem afetado drasticamente esses ambientes e consequentemente provocado o declínio dessas populações que, nessa faixa que abrange a parte central e América do Sul, o relatório mostra que chega a 89%. É uma das regiões mais pressionadas em função desse uso intenso dos recursos naturais.”

Ele explica que, no Brasil, o principal problema é o desmatamento, que chegou a 20% na Amazônia e já passou de 50% da cobertura original no bioma Cerrado, impactando na capacidade hídrica do país, já que a área abriga importantes mananciais que abastecem as bacias hidrográficas de todo o país.

Para Sampaio, o país que tem a maior biodiversidade do planeta, além da maior área de florestas tropicais e a maior quantidade de água doce do mundo, precisa assumir o protagonismo na área ambiental e implementar as metas da convenção da Organização das Nações Unidas para a biodiversidade.

“As metas precisam ser revistas a partir de 2020 e é importante que os países signatários de fato internalizem esses acordos dentro de suas políticas internas. Por exemplo, um dos temas é a necessidade de ter pelo menos 17% dos ecossistemas em áreas protegidas, que são importantes para a conservação dessa biodiversidade. O Brasil tem ainda um grande percurso nesse aspecto. No cerrado são 8% do território protegido, no pantanal são apenas 2% de áreas protegidas”.

O relatório aponta que entre as espécies brasileiras ameaçadas de extinção em função da perda do ambiente natural estão a jandaia-amarela (Aratinga solstitialis), o tatu-bola (Tolipeutes tricinctus), o muriqui-do-sul (Brachyteles aracnoides) e o uacari (Cacajao hosomi). A degradação ambiental ameaça o boto (Inia geoffrensis), que já mostra tendência de redução populacional.

Planeta Vivo

Sampaio explica que o relatório da WWF é um compilado de informações científicas, que utiliza base de dados de 19 organizações internacionais e envolve mais de 50 pesquisadores. O trabalho apresenta, a cada dois anos, o índice de vida do planeta.

“Nos últimos anos, esse relatório tem mostrado um grande declínio dessas formas de vida, essas espécies que vêm desaparecendo em função principalmente do uso que o homem faz da superfície do planeta e da forma como nós exploramos os nossos recursos naturais.”

O Índice do Planeta Vivo (LPI) mede, desde 1970, as tendências em 16.704 populações, representando 4.005 espécies de vertebrados. “A nível global, esse declínio de espécies desde o início do monitoramento mostra que cerca de 60% da biodiversidade no planeta vem desaparecendo, incluído animais, plantas e seres invertebrados. Toda a biodiversidade vem sofrendo com a forma com que o planeta vem sendo modificado, principalmente através das atividades humanas ao longo desses anos”, explica o coordenador.

Os dados mostram que 75% das terras do planeta já foram impactadas pela ação humana; as populações de água doce tiveram redução de 83% desde 1970; o habitat para os mamíferos teve uma redução de 22%; o risco de extinção tem acelerado para diversas espécies; e a quantidade de biodiversidade original caiu de 81,6% em 1970 para 78,6% em 2014.

Segundo o relatório, os seres humanos já ultrapassaram os limites de segurança no que se refere às mudanças climáticas, à integridade da biosfera, aos fluxos biogeoquímicos de nitrogênio e fósforo, além das mudanças no sistema terrestre. “A saúde planetária, a natureza e a biodiversidade estão em declínio acentuado, prejudicando a saúde e o bem-estar das pessoas, espécies, sociedades e economias em todos os lugares”, alerta o texto.

Sampaio destaca que já existem tecnologias em todas as áreas de atividade humana que podem proporcionar uma forma mais amigável de se relacionar com os recursos naturais e com a biodiversidade e que é possível adotar modelos de boas práticas já desenvolvidas e comprovadas cientificamente para aumentar a produção e conservar o meio ambiente. Ele cita como exemplo a produção de alimentos.

“Na alimentação, hoje cerca de 40% do que é produzido globalmente é jogado fora, durante a produção, o transporte e dentro das nossas casas. Então, se a gente mudar só esse componente, como a gente trata o alimento desde a sua origem até o nosso prato, sem dúvida a gente vai ter um ganho significativo na quantidade de alimentos que é produzido a nível global. Nós provocamos essa mudança pelos nossos hábitos, pois a forma que nós consumimos hoje é uma forma predatória”.

O texto lembra que globalmente a natureza fornece serviços que podem chegar a US$ 125 trilhões por ano, como insumos básicos para medicamento, polinização natural das lavouras e sequestro de carbono da atmosfera.

CUSTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS DE USINAS HIDRELÉTRICAS SÃO SUBESTIMADOS, APONTA ESTUDO

Postado em Atualizado em

O professor Emilio Moran, coordenador do projeto: “Quando uma grande barragem é construída, o rio a jusante perde grande parte de espécies de peixes que são importantes para a população ribeirinha”

Trabalho mostra que desmatamento, perda da biodiversidade e prejuízos econômicos causados às comunidades não têm sido levados em conta

 

Texto: Elton Alisson | Agência Fapesp

Enquanto os países mais desenvolvidos têm diminuído nas últimas décadas a construção de grandes hidrelétricas, nações em desenvolvimento começaram a construir no mesmo período barragens ainda maiores. É o caso do Brasil.

Impactos ambientais – como o desmatamento e a perda da biodiversidade – e sociais – como o deslocamento de milhares de pessoas e os prejuízos econômicos causados a elas – não têm sido levados em conta e incluídos no custo total desses projetos. Além disso, esses empreendimentos têm ignorado os cenários de mudanças climáticas, que preveem a diminuição da oferta de água e, consequentemente, da geração de energia hidroelétrica.

O alerta foi feito por pesquisadores da Michigan State University, nos Estados Unidos, em artigo publicado em 5 de novembro na revista Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (PNAS).

O primeiro autor do estudo é Emilio Moran, professor visitante da pós-graduação em Ambiente e Sociedade do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam) da Unicamp. O pesquisador coordena um projeto, apoiado pela FAPESP na modalidade São Paulo Excellence Chair (SPEC), em que estuda os impactos sociais e ambientais da construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, próxima à cidade de Altamira, no Pará.

“Argumentamos que se continuar a construção de grandes hidrelétricas nos países em desenvolvimento, precisaremos fazer uma avaliação do custo real dessas obras que inclua os impactos ambientais e sociais gerados por elas”, disse Moran à Agência FAPESP.

“Quando uma grande barragem é construída, o rio a jusante [direção em que correm as águas de uma corrente fluvial] perde grande parte de espécies de peixes que são importantes para a população ribeirinha. Aquelas comunidades terão que conviver com a diminuição de sua atividade de pesca ao longo de 15 ou 20 anos, por exemplo, e esses prejuízos econômicos e sociais não têm sido incorporados no custo desses projetos”, disse.

De acordo com os autores do estudo, a energia hidrelétrica tem sido a principal fonte de energia renovável em todo o mundo, respondendo por até 71% da oferta da energia proveniente de recursos naturais a partir de 2016.

Essa capacidade de geração de energia hidrelétrica foi iniciada na América do Norte e na Europa entre 1920 e 1970, quando milhares de barragens foram construídas. A partir do fim da década de 1960, contudo, grandes barragens deixaram de ser construídas em nações desenvolvidas. Algumas das razões foram que os melhores locais para construção de represas nessas regiões tinham sido ocupados e as crescentes preocupações ambientais e sociais tornaram esses projetos inviáveis.

O resultado disso foi que, hoje, passado seu tempo de vida útil, mais barragens estão sendo removidas do que construídas na América do Norte e na Europa. Só nos Estados Unidos, 546 represas foram removidas entre 2006 e 2014, exemplificam os pesquisadores.

“O custo para remover uma barragem, passada sua vida útil, é altíssimo, e também deve ser levado em conta na avaliação do custo total de um novo projeto de hidrelétrica”, apontou Moran.

“Se esse custo de remoção fosse incluído, muitas barragens não seriam feitas, porque seria muito mais cara a geração de energia por quilowatt-hora por uma usina elétrica com vida útil estimada entre 30 e 50 anos, como a das que estão sendo construídas no Brasil”, disse.

Impactos locais

Segundo Moran, as primeiras barragens construídas na América do Norte e na Europa tinham o objetivo de prover energia para áreas rurais e possibilitar o funcionamento de sistemas de irrigação. “Esses projetos tinham um objetivo social”, disse.

Já as usinas que estão sendo construídas ao longo dos rios da bacia Amazônica, na América do Sul, do Congo, na África, e Mekong, no Sudeste Asiático, são voltadas, em grande parte, para fornecer energia para empresas siderúrgicas, por exemplo, sem beneficiar as comunidades locais.

O caso mais emblemático é o da megausina de Inga, planejada para ser construída na homônima maior cachoeira do mundo em volume, no rio Congo. A barragem, que poderia aumentar em mais de um terço o total da eletricidade atualmente produzida na África, exportará a energia gerada para a África do Sul para atender às empresas de mineração.

“As pessoas afetadas por esses projetos acabam não se beneficiando do acesso ou da diminuição do custo da energia, por exemplo. No caso da usina de Belo Monte, o linhão de transmissão de energia passa por cima das pessoas afetadas e aquela energia vai para as regiões Sul e Sudeste”, disse Moran.

Segundo o estudo, tanto em Belo Monte como em Santo Antônio e Jirau, na Amazônia brasileira, onde também foram instaladas barragens recentemente, em vez de diminuir, a conta de energia elétrica da população no entorno das obras aumentou. E os empregos prometidos aos moradores no início das obras foram ocupados principalmente por pessoas de fora e desapareceram no prazo de cinco anos.

“Em Altamira, antes do início da construção da usina de Belo Monte, os moradores apoiavam a obra pois pensavam que ela beneficiaria enormemente a cidade. Hoje em dia ninguém apoia mais, porque a usina acabou com a tranquilidade da cidade e, em vez de benefício, só trouxe problemas para a maioria das pessoas”, disse Moran.

“Belo Monte foi tão caótico e afetou tão profundamente a vida dos moradores da região que contribuiu para repensar os projetos de construção de grandes barragens na bacia Amazônica”, disse.

Além dos problemas gerados para as comunidades a jusante, as novas usinas em construção na América do Sul, África e no Sudeste Asiático têm causado graves impactos ambientais.

Na bacia Amazônica, por exemplo, onde está sendo planejada a construção ao longo de seus 6 milhões de quilômetros quadrados (km2) de 147 barragens – das quais 65 no Brasil –, a construção de hidrelétricas tem afetado as populações e a dinâmica das cerca de 2,3 mil espécies de peixes encontradas na região. Após a instalação de barragens no rio Tocantins houve uma redução de 25% no número de peixes nesse curso d’água, que deságua na foz do rio Amazonas.

Na região da barragem de Tucuruí, o pescado diminuiu quase 60% imediatamente após a construção da barragem e mais de 100 mil pessoas que vivem no entorno do rio foram afetadas pela perda da pesca, da agricultura de irrigação por inundações e outros recursos naturais, destacam os autores do estudo.

“A maioria das espécies de peixe na bacia Amazônica são endêmicas [só ocorrem naquela região]. A perda dessas espécies representa um enorme dano para a biodiversidade mundial”, disse Moran.

Impactos das mudanças climáticas

As barragens que têm sido construídas na bacia Amazônica nos últimos anos também deverão ser fortemente impactadas pelas mudanças climáticas globais, projetam os pesquisadores.

Estima-se que as barragens de Jirau e de Santo Antônio, no rio Madeira, concluídas nos últimos cinco anos, produzirão apenas uma fração dos 3 gigawatts (GW) cada que eram projetadas para gerar em razão das mudanças climáticas e da pequena capacidade de armazenamento de seus reservatórios a fio d’água – com menor acúmulo de água.

Já a usina de Belo Monte, no rio Xingu, concluída em 2016, também produzirá 4,46 GW dos 11,23 GW que foi construída para gerar, mesmo em cenários otimistas, devido à variabilidade climática, a um reservatório relativamente pequeno e a níveis insuficientes de água, afirmam os pesquisadores.

Para agravar esse cenário, a maioria dos modelos climáticos prevê maior temperatura e menor precipitação nas bacias do Xingu, Tapajós e do Madeira.

“Depender só da água como fonte de energia em um futuro em que teremos menos esse recurso natural parece ser uma estratégia pouco confiável”, avaliou Moran.

“Para diminuir sua vulnerabilidade energética, em um cenário de mudanças climáticas globais, o Brasil precisa diversificar sua matriz, que ainda é muito dependente do setor hidrelétrico. É preciso que o país aumente os investimentos em outras fontes de energia renovável, como solar, biomassa e eólica”, disse.

Os pesquisadores também ressalvam que, de maneira similar às mudanças climáticas, os projetos de construção de barragens frequentemente não consideram os efeitos da mudança do uso da terra no potencial de geração de energia hidrelétrica por uma represa.

Outro estudo estimou que na bacia do Xingu, onde está localizada a usina de Belo Monte, a energia gerada estimada poderia cair para abaixo da metade da capacidade instalada da barragem com o desmatamento em torno da bacia. Isso porque o desmatamento pode inibir a chuva e a umidade do solo nas regiões tropicais úmidas da floresta.

Estima-se que metade da precipitação na bacia Amazônica seja devido à reciclagem interna de umidade. Dessa forma, o desmatamento pode reduzir as chuvas na região, independentemente do declínio esperado com as mudanças climáticas globais, afirmam os pesquisadores.

“A hidroenergia é uma entre várias soluções para evitar apagões de energia no Brasil. A solução é procurar diversificar as fontes de energia e adotar soluções inovadoras que possam reduzir os impactos ambientais e sociais das barragens”, disse Moran.

Uma das alternativas tecnológicas às usinas hidrelétricas em estudo pelos pesquisadores é a instalação de turbinas em linha, no leito ou submersas nos rios, que dispensam a necessidade de represamento da água.

A tecnologia poderia ser útil para a geração ininterrupta de energia para as comunidades ribeirinhas, a um custo baixo, e manteria a ecologia fluvial e não envolveria o reassentamento de comunidades e outros custos sociais das barragens.

“Essa solução poderia ser aplicada no país inteiro onde há rios pequenos, com água com velocidade de mais de um metro por segundo. Além disso, as turbinas também poderiam ser instaladas próximas de barragens para complementar a produção de energia e eliminar a necessidade de construir outras usinas”, disse o pesquisador.