Arquivo da categoria: Sem categoria

Concentração de metais na foz do Rio Doce aumentou após tragédia, aponta estudo

Pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) fizeram um estudo para comparar a situação ambiental da foz do Rio Doce antes e depois da tragédia de Mariana (MG). De acordo com resultados apresentados, foi constatada a presença do dobro de ferro, quatro vezes mais de alumínio e três vezes mais manganês do que havia no local antes da chegada da lama de rejeitos.

A tragédia de Mariana ocorreu em novembro de 2015, quando houve o rompimento da barragem de Fundão, pertencente à mineradora Samarco. Foram liberados no ambiente mais de 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos, que provocaram devastação da vegetação nativa, poluição da Bacia do Rio Doce e destruição de comunidades. Dezenove pessoas morreram. O episódio é considerado a maior tragédia ambiental do país.

A foz do Rio Doce fica no distrito de Regência, que integra o município de Linhares (ES). A análise de suas águas envolveu oito pesquisadores, incluindo geólogo, físico, biólogo, oceanógrafo e químico e resultou em um relatório final de 260 páginas. A pesquisa levou em conta materiais coletados ao longo de um ano. Durante esse período, oito amostras colhidas foram analisadas. A média dos resultados encontrados foi comparada com dados de estudos feitos antes do rompimento da barragem.

De acordo com o geólogo Alex Bastos, que integrou a pesquisa, o relatório final foi apresentado na última semana de junho ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão ambiental vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.  “É muito importante o envolvimento das universidades neste tipo de estudo e monitoramento, para que tenhamos minimamente uma fonte de informação científica que a sociedade considere mais imparcial e livre de questionamentos”, disse.

Os pesquisadores também fizeram uma análise da população de plânctons na foz do Rio Doce. Foi constatada que a diversidade de espécies de zooplânctons teve redução de 40%. Também houve uma grande diminuição na abundância e no número de espécies dos fitoplânctons, microalgas da base da cadeia alimentar.

“O trabalho que desenvolvemos buscou entender o ecossistema, o ambiente como um todo. Não é só medir os teores de metais, mas também compreender o impacto. Por isso nós analisamos a comunidade planctônica, que é a base da cadeia alimentar e reflete a alteração da química do ambiente”, disse Bastos. Segundo o pesquisador, ainda não é possível precisar o quanto essa situação pode impactar no nível superior da cadeia alimentar, que incluem os peixes.

Segundo o ICMBio, o estudo servirá de base para articular novas ações no Rio Doce. O órgão também informa que vai compartilhar o relatório com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturáveis Renováveis (Ibama), a Agência Nacional de Águas (ANA), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Estadual do Meio Ambiente do Espírito Santo (Iema).

Confira a matéria na íntegra em Agência Brasil.

CICLO VIVO

Al Gore’s crusade

CBS NEWS

A huge iceberg — said to be the size of Delaware — broke off from the Antarctic Peninsula. It’s one of the largest ever recorded. But scientists differ on whether it can be blamed directly on climate change. Still, former Vice-President Al Gore called the floating giant “a jarring reminder of why we must solve the climate crisis.” Gore has been a crusader on that issue for years now, and took Lee Cowan back to Tennessee to take stock of the battle in our “Sunday Morning” Cover Story: 

Meandering through the rolling green hills of Carthage, Tennessee, is the Caney Fork River — a place where Al Gore seems right at home.

“This place down here is where, when I was a boy, my family used to come down here and go swimming,” he showed Cowan.

Yes, he’s the man who was almost President, and yes, that is a pretty tough act to follow.

And yet, Al Gore has still made his voice heard — and not just echoing off those limestone cliffs on the Gore family farm.

“One time when Winston Churchill lost an election as a young man, one of his friends said, ‘Winston, this is a blessing in disguise.’ And he said, ‘Damn good disguise!’  So that’s sort of the way I feel about it.

“When I went through that experience in the election of 2000 and the Supreme Court decision, I knew I was going to be fine. And I hated the result, obviously, but I just started looking for other ways I could be of service.”

So he dusted off an old slideshow that he had once used to convince his colleagues in the House and the Senate that global warming was a provable environmental threat. And in 2006, that wonky slideshow became an Oscar-winning documentary.

“An Inconvenient Truth” made him the face of the climate debate. It helped him win a Nobel Peace Prize — and it put him right back in the political crosshairs.

Cowan said, “You faced some pretty stiff criticism from people that called you everything from a fanatic to a fraud.”

“Yeah. When I spoke at my father’s funeral, I quoted a passage from scripture, ‘Woe unto him about whom all men say good things,'” Gore laughed. “If everybody’s just completely happy with what you’re doing, you may not be working hard enough to bring about the kind of change that we need!”

He’s still fighting for change, and he’s still giving that slideshow … over 100 times a year, if you can believe that.

“16 of the 17 hottest years ever measured with instruments have been since the year 2001.”

It’s enough to discourage anyone living anywhere on the planet. But Gore also sounds a hopeful note — he’s even humorous at times.

“The Vatican has made a commitment to be the first carbon-neutral nation. Now, they have two advantages: they’re very small, and God is on their side.”

On this day it was an audience of about a thousand outside Seattle who lined up not just to hear Gore’s presentation, but to learn how to give it themselves.

Al Gore presents a slideshow on greenhouses gases and a warming Earth in Seattle.

 CBS NEWS

“Do you ever get tired of giving the slide show? Does it ever get old?” Cowan asked.

“Honestly it does not for me, because I really have a strong sense that this is what I’m supposed to be doing,” Gore replied. “And that makes me want to do more.”

He’s been holding these Climate Leadership Training sessions for about a decade now, to help spread the word about climate change, and to engage those who say it simply doesn’t exist.

“The truth about the climate crisis is still inconvenient to the large carbon polluters, and so they want to bob and weave and dodge the truth and pretend like it’s still a big controversy,” Gore said. “And it’s not.”

The success of his first film lead him to take to the big screen again. “An Inconvenient Sequel: Truth to Power,” which played at the Cannes Film Festival in May, opens nationwide later this summer.

As he says in the film, “It is right to save the future for humanity. It is wrong to pollute this Earth and destroy the climate balance. It is right to give hope to the future generations.”

“You’re a movie star in a lot of respects,” Cowan laughed.

“Come on! I’m, no, no, no, I’m not.”

“No, you really are! It’s you and Wonder Woman this summer!  It is.”

“Yeah, right!”

For two years cameras followed Gore on his climate crusade, from high above the melting glaciers of Greenland, to the streets of Miami Beach, where he found officials trying to raise road levels to match the predicted rise in sea levels.

An ice sheet collapses in Greenland, as documented in “An Inconvenient Sequel: Truth to Power.”

 PARAMOUNT PICTURES

“It’s no longer just the virtually unanimous scientific community telling us we’ve got to change,” he said. “Now Mother Nature has entered the debate. Every night now on the television news is like a nature hike through the Book of Revelation.  People who don’t want to use the phrase ‘global warming’ or ‘climate crisis’ are saying, ‘Wait a minute. Something’s going on here that’s not right.'”

Much of the film takes place at the Paris Climate Conference two years ago, where 196 nations (including the U.S.) agreed to a reduction in greenhouse gas emissions.

It was unprecedented. But back home, the political winds were blowing in Donald Trump’s direction — and Gore feared it was about to be a whole new world.

Cowan said, “You’ve spent half your life in politics, some of it as the highest levels …”

“Second-highest level,” Core corrected him

Second-highest level. Excuse me, Mr. Vice President, that’s right.  What do you make of this young administration so far?”

“Every day it’s another set of tweets and another set of controversies, and they’re not getting anything done,” Gore replied.

His biggest worry was what might be un-done if Mr. Trump kept his campaign promise to pull out of the Paris Accord. He tried more than once to change Mr. Trump’s mind — even visiting him at Trump Tower before the inauguration.

When asked if he found the president-elect receptive to his argument, Gore said, “I found him attentive, and you can misinterpret that for being receptive. But yes, I did think that there was a real chance that he would come to his senses on this.”

But in June, President Trump announced that he was withdrawing the United States from the Paris Climate Agreement.

“The President has made this an economic argument, that there just isn’t room, essentially, in the economy to be sustainable and at the same time provide jobs, and a lot of his base believes that,” Cowan said.

“Well, the business community does not believe that at all,” Gore replied. “There are now twice as many jobs in the solar industry as in the coal industry. Solar jobs are growing 17 times faster than other jobs in the U.S. It’s one of the brightest spots in our economic revival.”

And never before, he says, have the solutions to climate change — wind, solar and electric technologies — been as cheap or as readily available.

“And that has to make your argument easier?” Cowan asked.

“Yeah, it’s true. I look back at where the facts and figures were ten, 11 years ago, and the curve on solar energy was just beginning to start moving up. Now it’s way up here.”

Al’s father, Albert Sr. (a three-term U.S. Senator), once grew tobacco on the Gore family farm. Now solar panels sprout out of this Tennessee soil — and so does an organic fruit and vegetable garden.

“The entire farm, the barn, the food processing, the house, all of it runs on 100% renewable energy now,” Gore said.

As second acts go, Al Gore found a path that will still land him in the history books.  Maybe not as a U.S. President, but when it comes to those fighting climate change, he’s a world leader nonetheless.

“I could not lay this down or put it aside even if I wanted to, and I don’t want to,” he said. “Those who feel despair should be of good cheer, as the Bible says. Have faith, have hope. We are going to win this.”


To watch a trailer for the documentary “An Inconvenient Sequel: Truth to Power,” click on the video player below.

Empresa constrói (em 5 dias!) casas populares para quem não tem usando plástico descartado

Os lixões não param de acumular plástico. As ruas estão cada vez mais cheias de gente que não têm onde morar. E o que uma coisa tem a ver com a outra, afinal? Para o arquiteto Oscar Mendez, tudo!

Ele é o fundador e CEO da Concept Plastics, empresa colombiana que constrói casas popularespara pessoas em situação de vulnerabilidade sociala partir de plástico e borracha usados, que seriam jogados no lixo.

A matéria-prima inusitada é transformada em tijolos especiais que se encaixam uns nos outros, como peças de Lego. Segundo o fabricante, quatro pessoas são capazes de montar uma casa de 130 m² – durável e impermeável! – em até cinco dias. É ou não é um excelente negócio social?

Para saber mais sobre a iniciativa, assista ao vídeo abaixo, em inglês, gravado pela New China TV.

NA APA PAULO BRASIL, EM BÚZIOS, UM MICO LEÃO DOURADO EM SALTO

Foto de Paulo Barcelos

Así es el primer tren de pasajeros con motor de hidrógeno del mundo

 

El primer tren de pasajeros con motor de hidrógeno del mundo está llegando a Alemania, pero no será puesto en marcha hasta finales del próximo año.

Esta semana, la compañía de transporte francesa Alstom dio a conocer el primer tren de pasajeros con motor de hidrógeno del mundo, que comenzará a hacer viajes dentro de Alemania a finales del 2017. La noticia fue dada a conocer primero por el diario alemán Die Welt.

El súper silencioso tren de pasajeros Coradia iLint es alimentado por células de combustible de hidrógeno, que emiten únicamente vapor y agua condensada. Un tanque de combustible de hidrógeno almacenado sobre el techo del tren, le entrega combustible a las células de hidrogeno  para producir energía eléctrica. Alstom dijo que espera que sus trenes propulsados por hidrógeno puedan reemplazar a muchas maquinas diesel que actualmente recorren las vías de Europa.

Alstom dio a conocer el nuevo tren en la feria InnoTrans, en Berlín durante esta semana. A partir de finales del 2017, el tren se recorrerá en trayecto entre Buxtehude-Bremervörde-Bremerhaven-Cuxhaven en el estado alemán noroccidental de Baja Sajonia. Las autoridades locales de transporte de Baja Sajonia han ordenado por su parte 14 trenes de este tipo. Las pruebas y la aprobación por parte de la Autoridad Federal Alemana de trenes Eisenbahn-Bundesamt comenzarán en el otoño de 2016 y se espera que estén terminados a finales del 2017.

El Coradia iLint puede ser el primer tren de pasajeros con motor de hidrógeno del mundo, pero ciertamente no es el primer vehículo que utiliza las células de hidrogeno como combustible. Stan Thompson, ex planificador estratégico de AT & T, fue el primero en abogar por la utilización del hidrogeno para el transporte ferroviario, y que también acuñó el término “hydrail” en 2004 para describir cualquier tipo de vehículo ferroviario que utilice células de combustible de hidrógeno. Mientras tanto, ha habido un sin número de prototipos y trenes híbridos, sobre todo en Japón.

Este es el último anuncio que apunta a los esfuerzos de Alemania para innovar en lo que respecta a los viajes en tren. En julio pasado, la Deutsche Bahn, el operador ferroviario más grande de Europa, anunció que estaría trabajando con el HYPERLOOP para llevar sus tecnologías futuristas a su flota de trenes.

Em Amsterdã, cidadãos ganham WiFi grátis na rua quando nível de poluição do ar está baixo

Nada como ter um incentivo para adotar bons hábitos, não? Em tempos em que todos querem estar conectados 24h por dia no celular, a startupTreeWiFi desenvolvou uma engenhoca que mede a qualidade do ar nas ruas de Amsterdã e premia os cidadãos com WiFi gratuito, caso os níveis de poluição estejam baixos.

Mais do que incentivar pela recompensa, a organização espera despertar nos holandeses a consciência de adotar hábitos mais sustentáveis – como andar de bike ou transporte público-, em prol da cidade e de sua própria saúde.

O equipamento que dedura o nível de poluição do ar fica pendurado nas árvores – alguém consegue pensar em lugar melhor? – e se parece com uma casa de passarinhos. Quando o ar do local está bom, o telhado fica verde e quem está passando já sabe: pode buscar o sinal gratuito de internet da TreeWiFi que ele estará disponível no celular – e ainda dará dicas do que pode ser feito para que o ar da cidade se mantenha em boa qualidade.

Por enquanto, o aparelho é capaz de medir apenas a quantidade de dióxido de nitrogênio(NO2) presente no ar. Mas já é bastante emblemático. Trata-se de um dos gases mais poluentes que paira pelas cidades, emitido por exemplo pelo escapamento dos carros e pela fumaça dos cigarros.

Quem aí toparia mudar de hábitos para ganhar WiFi de graça na rua?

logo

Brasil constrói primeira vinícola da América Latina movida 100% a energia solar

Localizada na cidade de Dom Pedrito, no Rio Grande do Sul, a vinícola Guatambu Estância do Vinhoganhará um parque solar com 600 painéis fotovoltaicos que suprirão 100% da demanda energética do empreendimento. A obra garantirá ao Brasil o título de primeiro país da América Latina a ter uma vinícola movida a energia solar.

O investimento de R$ 1,3 milhão tem previsão de retorno em até oito anos. Além da economia de eletricidade, o sistema proporcionará redução de emissões e ainda devolverá à rede de energia sua produção excedente. De acordo com Valter José Pötter, diretor e proprietário da vinícola, o uso do sol como fonte de energia limpa não era a primeira escolha durante a concepção do projeto, porém se tornou a mais viável economicamente.

“Antes de construir, fizemos um convênio com o Centro Eólico da PUC para pesquisar a frequência e intensidade dos ventos aqui na região. Após um ano e meio de estudo, veio o veredicto: vento médio. Em resumo, precisaria de um grande investimento em geradores eólicos que demorariam entre 15 e 20 anos para se pagar. Na sequência, partimos para o projeto de energia solar. Instalamos um piloto de 18 placas solares para pesquisa e testes durante dois anos e meio e foi um sucesso”, explica.

Ainda de acordo com o produtor, a expectativa é ter uma economia de R$ 200 mil, anualmente, no que diz respeito aos gastos com eletricidade, além de gerar diversos benefícios socioambientais à região.

“Em primeiro lugar a questão ambiental é a mais importante, sem dúvida alguma. É um ganha-ganha: a empresa ganha e a sociedade ganha, pelo fato de não estarmos usando energia que não é renovável; o governo e as estatais também ganham, pois estamos ajudando a incentivar a produção de energia limpa no país sem a necessidade de investimentos por parte do governo federal”, diz Pötter. Ele completa: “Eu não tenho dúvidas de que o primeiro passo para qualquer investimento é experimentar. Eu não me animaria a fazer nada de uma forma rápida. Jamais instalaria 600 painéis, baseado em ‘achismos’. Nós testamos por dois anos e meio a prática e isso nos dá uma firmeza muito grande, uma solidez, na hora de investir com convicção de que se trata de um projeto viável”.

A vinícola conta ainda com captação de água da  chuva, utilizada para o Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio e para a irrigação dos jardins do empreendimento. Parte do recurso ainda é encaminhado para uma estação de tratamento, construída dentro dos padrões da Organização Mundial da Saúde, que produz 500 litros de água potável por hora. Nos vinhedos, há ainda um projeto-piloto que visa implantar técnica sustentável e ecológica de controle de doenças fúngicas, a partir da utilização de micro-organismos que combatem naturalmente os fungos – sem o uso de químicos.