Afasta de mim

Fábio Rodrigues

Imagem

ROTA 66 SOLAR

2

SEDEC-RJ apresenta Mapa de Ameaças Múltiplas nas 8 Regionais de Defesa Civil do estado

Com o fim das Olimpíadas, Defesa Civil estadual inicia uma série de apresentações do Mapa em encontros regionais promovidos pelo DGDEC

 

Após os Jogos Olímpicos, a Secretaria de Estado de Defesa Civil (SEDEC-RJ) vai realizar oito apresentações do Mapa de Ameaças Múltiplas na capital e no interior do estado. A ferramenta foi desenvolvida pelo Departamento Geral de Defesa Civil com o apoio das 92 Defesas Civis municipais e contempla as 736 principais ameaças de desastre que rondam o território fluminense, sendo 460 naturais e 276 tecnológicas.

 

Como consequência desse trabalho, o DGDEC está propondo às prefeituras o desenvolvimento orientado de 736 planos de contingência municipais, um para cada ameaça identificada e hierarquizada, antes do início do próximo verão, período onde sazonalmente ocorre a maioria dos desastres no estado. Até lá, serão realizados exercícios simulados de escape de áreas de risco envolvendo a população com o teste dos sistemas de alerta e alarme por sirenes, pluviômetros, carros de som, entre outros.

 

O cronograma das palestras sobre o Mapa que serão ministradas pelo Cel BM Paulo Renato Vaz, diretor geral do DGDEC, e destinadas a todos os interessados no tema segue abaixo:

 

 23/08: REDEC Costa Verde – Teatro Municipal de Itaguaí – Itaguaí – 11h.

 29/08: REDEC Baixada Fluminense – Auditório da Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO) – Duque de Caxias – 10h.

 30/08: REDEC Capital – Auditório da Universidade Veiga de Almeida (UVA Maracanã) – Rio de Janeiro – 10h.

 31/08: REDEC Serrana – Auditório da Universidade Católica de Petrópolis (UCP) – Petrópolis – 10h.

 01/09: REDEC Metropolitana – Auditório da Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense (UFF Gragoatá) – Niterói – 10h.

 05/09: REDEC Litorânea – Auditório da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FAFIMA) – Macaé – 18h.

 06/09: REDEC Norte – Auditório do Centro Universitário Fluminense (UNIFLU) – Campos dos Goytacazes – 09h.

 08/09: REDEC Sul – Auditório do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFECT) – Pinheiral – 10h.

 

O Mapa de Ameaças Múltiplas do Estado do Rio de Janeiro está disponível para acesso na plataforma virtual MindMeister através do endereço:

www.mindmeister.com/696500912

REGISTRO E AGRADEÇO AO NOVO SECRETÁRIO DO AMBIENTE DE PARATY (RJ), CLÁUDIO PAIVA (na foto, entre o Fernando Carvalheira, Superintendente do INEA na região, e eu) E SUA EQUIPE, PELA BELA E PRODUTIVA REUNIÃO, QUE ANUNCIA BOAS PARCERIAS, DESDE JÁ E PARA O FUTURO!

1

RIO BENGALAS, FRIBURGO (RJ)

AS FOTOS  SÃO DE JALMIREZ SILVA, FOTÓGRAFO DA NATUREZA, QUE ESCREVEU:

7“A alegria de ver a vida de volta ao Bengalas. O rio urbano que permaneceu morto por mais de 50 anos volta à vida renascendo do lodo e agora podemos ver os peixes e seus predadores naturais. Temos nas imagens a garça-branca-grande pescando no rio e um cardume de acarás fotografados no centro urbano de minha cidade, Nova Friburgo-RJ.”

7PARABÉNS A TODOS OS ÓRGÃOS PÚBLICOS ENVOLVIDOS E À POPULAÇÃO FRIBURGUENSE POR ESTE RESGATE AMBIENTAL HISTÓRICO!

1

Imagem

5

Chile tem tanta energia solar que agora é de graça

4

Energia solar: preços à vista chegaram a zero em algumas regiões do país durante 113 dias até abril

Vanessa Dezem e Javiera Quiroga, daBloomberg

A indústria solar do Chile se expandiu tão rapidamente que está gerando eletricidade gratuitamente.

Os preços à vista chegaram a zero em algumas regiões do país durante 113 dias até abril, número que está a caminho de superar o total do ano passado, de 192 dias, segundo a operadora da rede central do Chile.

Embora isto pode ser bom para os consumidores, é uma má notícia para as usinas de energia, em dificuldades para gerar receita, e para as empresas que buscam financiar novos parques.

A pior situação acontece na região norte do país, no deserto do Atacama. A crescente demanda por eletricidade do Chile, impulsionada pela expansão da produção mineira e pelo crescimento econômico, ajudou a estimular o desenvolvimento de 29 parques solares, e outros 15 estão nos planos para a rede central de energia do país.

Agora, o Chile enfrenta a queda da demanda por energia devido à desaceleração da produção de cobre em meio a um excedente global, o que provoca um excesso de energia gerada em uma região que não possui linhas de transmissão para distribuir a eletricidade a outras partes.

“Os investidores estão perdendo dinheiro”, disse Rafael Mateo, CEO da unidade de energia da Acciona, que está investindo US$ 343 milhões em um projeto de 247 megawatts na região, que será um dos maiores da América Latina. “O crescimento foi desordenado. Não se pode ter tantas empresas no mesmo lugar”.

Um dos principais problemas é que o Chile possui duas redes de energia principais, a central e a do norte, sem conexão entre si. Existem também áreas dentro das redes que não possuem uma capacidade de transmissão adequada.

Com isso, uma região pode ter muita energia, o que derruba os preços, porque o excedente não pode ser entregue a outras partes do país, segundo Carlos Barría, ex-chefe da divisão de energia renovável do governo e professor da Pontifícia Universidade Católica do Chile, em Santiago.

Infraestrutura inadequada

O governo está trabalhando para corrigir este problema, com planos de construir uma linha de transmissão de 3.000 quilômetros para ligar as duas redes até 2017. Além disso, está desenvolvendo uma linha de 753 quilômetros para resolver o congestionamento nas partes norte da rede central, a região na qual os excedentes de energia estão levando os preços a zero.

“O Chile tem pelo menos sete ou oito pontos nas linhas de transmissão que estão em colapso e bloqueados e tem o enorme desafio de driblar os pontos de estrangulamento”, disse o ministro de Energia, Máximo Pacheco, em entrevista, em Santiago. “Quando você embarca em um caminho de crescimento e desenvolvimento como o que temos tido, obviamente surgem problemas”.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 20.905 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: