La revolución holandesa de carga inteligente de vehículos eléctricos


EV Smart Charging Station

EV Smart Charging Station

ARNHEM, Países Bajos, 17 de Octubre, 2016 -PRNewswire//Cómo los Países Bajos utilizan vehículos eléctricos para almacenar el pico de producción de energía de recursos sostenibles .

Dando la vuelta sobre  sí mismo en un gran Living Lab de carga inteligente de vehículos eléctricos, los Países Bajos están rápidamente convirtiéndose en la vanguardia internacional para la carga inteligente EV, utilizando pico de producción de energía solar y eólica. 325 municipios(incluyendo Amsterdam, Rotterdam, Utrecht y La Haya) ya se han unido al Dutch Living Lab Smart Charging que representa el 80 por ciento de todas las estaciones de carga públicas. También es apoyado por el gobierno holandés.

Añadiendo a esto algunos grandes desarrolladores en las estaciones de carga privadas y semiprivadas como The New Motion y EV-Box que se han unido. Las estaciones de carga holandesas muy pronto estarán abiertas para pruebas y proyectos de investigación.

El Living Lab Smart Charging es una plataforma abierta donde las empresas (desde multinacionales a pequeños negocios de tecnología, nacionales e internacionales), universidades, gobiernos locales y regionales y operadores de red cooperan. Operan un ambicioso programa de tres pasos.

Paso 1. Hacer tantas estaciones de carga listas para la carga inteligente. Una enorme operación de actualización está teniendo lugar ahora en todo el país, asegurándose de que las actuales estaciones de carga podrán facilitar técnicamente la carga inteligente. Todas las estaciones nuevas ya son Smart Charging Ready, y 2.500 nuevos puntos de carga serán desplegados en las provincias meridionales de Noord-Brabant y Limburg.

Paso 2. Utilizar esas centrales innovadoras para investigación y pruebas de carga inteligente. Por ejemplo, hay una aplicación (por Jedlix) que permite a los usuarios ganar dinero mediante el uso de tecnología para cargar el coche en medio de la noche cuando el viento sigue produciendo energía pero hay poca demanda para ello. En Utrecht el ‘vehículo a red’ se está probando junto con Renault: cargar el coche eléctrico con paneles solares y usarlo como almacenamiento de información para poner potencia de nuevo en la red cuando el sol ya no brilla.

Paso 3. Poner toda la innovación, pruebas y resultados de la investigación en las normas internacionales por lo que todos pueden beneficiarse de la experiencia holandesa con la carga inteligente.

El ultimo objetivo de Dutch Living Lab Smart Charging: que todos los coches eléctricos conduzcan con la energía del sol y el viento. La idea del Living Lab Smart Charging se explica en este corto de animación que se estrena [ ].

Foto: Living Lab Smart Charging./EV Smart Charging Station

Conventional thinking will not solve the climate crisis

‘Even keeping to the upper target agreed in Paris needs a price for coal, oil and gas that is dramatically higher’
‘Even keeping to the upper target agreed in Paris needs a price for coal, oil and gas that is dramatically higher’ Photograph: Stringer Shanghai/REUTERS

Three months and counting

The good news – according to the World Energy Council (WEC) – is that, per person, our energy demand is set to peak before 2030. Of course, there will be more of us around by then too, so that total demand will only slow, rather than level out. A heady whiff of technological optimism accompanies the explanation that this will happen because of “unprecedented efficiencies created by new technologies and more stringent energy policies”.

The bad news is that under the scenarios drawn up by the WEC, even keeping to the upper target agreed in Paris of global warming no greater than 2C will require an “exceptional and enduring effort” that goes beyond any current commitments and needs a price for coal, oil and gas that is dramatically higher.

To sweeten this pill, the WEC gives its scenarios names which must appear funky in the world of energy policy. “Modern jazz” is about shiny, digitally driven markets, the slightly less enthusiastic “Unfinished symphony” is about emerging greener models for growth, while “Hard rock” is a future of both low and grubby growth.

The problem with these and many other scenarios that emerge in the mainstream, is the intellectual editing that occurs before they even begin. Most share two overwhelming, linked characteristics that strictly limit any subsequent room for manoeuvre. Firstly the demand for energy itself is seen as something innate, unchallengeable and unmanageable. It must be met, and the only question is how.

Secondly, the assumption remains that the principles and practices of the economic model that has dominated for the last 30 years will remain for at least the next 30 years. There is no sign yet of the ferocious challenge to neoliberal orthodoxy happening at the margins of economics shaping mainstream visions of our possible futures. The merest glance at the history of changing ideas suggests this is short-sighted.

There are reasons why we need to get a move on with tackling energy demand. Extreme weather events abound. Record flooding in North Carolina in the United States follows record flooding in Louisiana earlier in the year. While no individual event can be described a direct cause and effect relationship, increasingly heavy rainfall and flood events are consistent with climate models for a warming world.

It’s nearly a year on from the wettest UK December on record in 2015. Subsequently, work by the World Weather Attribution project estimated that the odds for that rainfall event were increased by 50-75% by climate change.

Now, insurers in the UK complain that householders are failing to protect their properties from flooding, while the Environment Agency says that insurers preside over a system in which risk is simply rebuilt where flooding has already taken place. The Climate Change Committee says the UK is off track to meet its mid-century carbon reduction target, just as key decisions on aviation expansion and fracking look set to lock in emissions-intensive infrastructure.

Scenarios for industrial transition are needed that tell a bolder and more convincing tale, not just of the UK meeting its international obligations that are written into treaties, but that go further and stand a genuine chance of limiting warming to 2C.

What sort of scenarios should we be looking at then? We can learn from the impoverished Brexit debate that was marred by binary choices cloaked in wilful misinformation. For the whole population to fully understand our options, and the choices and challenges embedded in them, we should be thinking as openly and broadly as possible. We can look at how far techno-fixes will get us, and at the maximum speed and scale of change that market mechanisms and the pricing of carbon are likely to deliver. In both, the different impacts on rich and poor need assessing.

But we should go further to assess the pros and cons of radical scenarios for changing how we live and work.

Rarely considered but important variables come from new economics, including the shorter working week, the share economy, shifts in corporate ownership and governance, and intelligent but deliberate measures for economic localisation. Compare these to the “stumble on”, or business as usual scenario, in which we give up control of our future to a permanently destabilised climate change, but also assess seriously the consequences of the argument for planned so-called “de-growth” of the economy.

At the height of the 2008 financial crisis, the UK government promised to “go beyond the conventional thinking” to put things right. It never did, but with the climate crisis there is no choice. Conventional thinking is off-course and contradictory.

Without a balanced, comparative assessment of strategies to align energy use and industry with inescapable climate action, we won’t be able to choose the best possible future. I’m glad to say that work like this is beginning to happen at places such as the University of Leeds’ centre for industrial energy, materials and products. It’s going to mean telling better stories of change, rewriting rules and breaking ideological chains all around, but hey, that’s jazz …






10 passos para uma alimentação saudável

Confira as orientações do Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, e as dicas do Idec para melhorar sua alimentação e fazer escolhas mais adequadas e sustentáveis

Atualizado em 20/10/2016

1. Priorize alimentos in natura ou minimamente processados
Alimentos in natura (como frutas, verduras, legumes, ovos e carnes) ou minimamente processados (como leite, farinha, frutas secas, castanhas) são a base ideal para uma alimentação nutricionalmente balanceada, saborosa, culturalmente apropriada e promotora de um sistema alimentar socialmente e ambientalmente sustentável.
Dica do Idec: A maior parte da alimentação dos brasileiros ainda é composta desses alimentos, mas infelizmente estamos consumindo cada vez menos. Por isso, manter e valorizar a cultura e diversidade da alimentação é o segredo para comer de forma mais saudável e sustentável. Procure comprar alimentos produzidos localmente, da agricultura familiar, preferencialmente orgânicos. Descubra novos sabores no livro Alimentos Regionais Brasileiros
2. Utilize óleo, sal e açúcar com moderação
Ao preparar ou temperar refeições, utilize pequenas quantidades de óleos, gorduras, sal e açúcar. Se o uso for moderado, esses ingredientes culinários contribuem para diversificar e deixar a alimentação mais saborosa sem torná-la nutricionalmente desbalanceada.
Dica do Idec: Os brasileiros consomem muito mais açúcar e sódio (presente no sal) do que o recomendável. Veja dados e entenda importância de reduzir o consumo excessivo desses nutrientes, com dicas reunidas em um conteúdo especial sobre sódio e sobre açúcar.
3. Limite o consumo de alimentos processados
Os ingredientes e métodos usados na fabricação de alimentos processados – como conservas de legumes, compota de frutas, pães e queijos – alteram de modo desfavorável a composição nutricional dos alimentos dos quais derivam. Por exemplo, um pepino em conserva não é tão saudável quanto o vegetal in natura.
Em pequenas quantidades, podem ser consumidos como ingredientes de receitas ou parte de refeições, mas não abuse!
Dica do Idec:  Para identificar se um alimento é processado, confira a lista de ingredientes no rótulo do produto. Se a lista mencionar apenas alimentos in natura, sal, açúcar ou óleo, provavelmente será um alimento processado. Se tiver mais ingredientes, então deve ser um alimento ultraprocessado.
4. Evite o consumo de alimentos ultraprocessados
Alimentos ultraprocessados (como biscoitos recheados, salgadinhos, refrigerantes e  macarrão instantâneo) são nutricionalmente desbalanceados. Por conta de sua formulação e apresentação, tendem a ser consumidos em excesso e a substituir alimentos in natura ou minimamente processados. Suas formas de produção, distribuição, comercialização e consumo afetam de modo desfavorável a cultura, a vida social e o meio ambiente.
Dica do Idec: Muitas vezes os apelos da embalagem de um produto ultraprocessado são enganosas e podem fazer o consumidor acreditar que está consumindo um alimento saudável. É o caso do “suco” de caixinha. Você sabe quanto tem de fruta? Assista ao vídeo Agite-se antes de beber para entender melhor.
5. Coma com regularidade e atenção
Procure fazer suas refeições em horários semelhantes todos os dias e evite “beliscar” nos intervalos entre as refeições. Coma sempre devagar e desfrute o que está comendo, sem se envolver em outra atividade (evite fazer refeições com a TV ligada, por exemplo). Procure comer em locais limpos, confortáveis e tranquilos e onde não haja estímulos para o consumo de quantidades ilimitadas de alimento.
Sempre que possível, coma em companhia, com familiares, amigos ou colegas de trabalho ou escola. A companhia nas refeições favorece o comer com regularidade e atenção, combina com ambientes apropriados e amplia o desfrute da alimentação. Compartilhe também as atividades domésticas que antecedem ou sucedem o consumo das refeições.
Dica do Idec: Cuidado com os lanches entre as refeições. Muitos alimentos ultraprocessados são desenvolvidos e estimulados para serem consumidos a qualquer hora e em qualquer lugar. Isso parece uma vantagem, mas, na verdade, contribui para o consumo de calorias em excesso, sem você perceber! Se sentir fome entre as refeições, escolha alimentos in natura ou minimamente processados, como frutas, iogurte natural, castanhas ou nozes.
6. Compre alimentos na feira
Procure fazer compras de alimentos em mercados, feiras livres e feiras de produtores e outros locais que comercializam variedades de alimentos in natura ou minimamente processados. Prefira legumes, verduras e frutas da estação e cultivados localmente. Sempre que possível, adquira alimentos orgânicos e de base agroecológica, de preferência diretamente dos produtores.
Dica do Idec: Procure uma feira orgânica próxima de sua casa ou local de trabalho no site Mapa de Feiras Orgânicas do Idec ou ou baixe o aplicativo em seu celular. Nesses locais, o preço dos produtos em geral é mais em conta do que no supermercado.
7. Cozinhe!
Se você tem habilidades culinárias, procure desenvolvê-las e partilhá-las, principalmente com crianças e jovens, sem distinção de gênero. Se você não sabe cozinhar  – e isso vale para homens e mulheres –, procure aprender. Para isso, converse com as pessoas que já sabem, peça receitas a familiares, amigos e colegas, leia livros, consulte a internet, eventualmente faça cursos e… comece a cozinhar!
Dica do Idec: Leia a entrevista com a chef e apresentadora Rita Lobo e entenda por que cozinhar ajuda a se alimentar de forma mais saudável!
8. Planeje as compras e o preparo das refeições
Planeje as compras de alimentos, organize a despensa doméstica e defina com antecedência o cardápio da semana. Divida com  os membros de sua família a responsabilidade por todas as atividades domésticas relacionadas ao preparo de refeições. Faça da preparação de refeições e do ato de comer momentos privilegiados de convivência e prazer. Reavalie como você tem usado o seu tempo e identifique quais atividades poderiam ceder espaço para a alimentação.
Dica do Idec: Planejar sua alimentação é também uma forma de economizar e evitar o desperdício de alimentos e ainda reduz os impactos no meio ambiente. Quando as tarefas são divididas, ninguém é sobrecarregado.
9. Evite fast food
No dia a dia, procure locais que servem refeições feitas na hora e a preço justo. Restaurantes de comida a quilo podem ser boas opções, assim como refeitórios que servem comida caseira em escolas ou no local de trabalho. Evite redes de fast-food.
Dica do Idec: evite levar crianças para comer em redes de fast food que oferecem brindes junto com a refeição. Esse tipo de estratégia de marketing estimula hábitos alimentos não saudáveis e pode provocar obesidade e outras doenças.
10. Seja crítico com a publicidade de alimentos
Lembre-se de que a função essencial da publicidade é aumentar a venda de produtos, e não informar ou, menos ainda, educar as pessoas. Avalie com crítica o que você lê, vê e ouve sobre alimentação em propagandas comerciais e estimule outras pessoas, particularmente crianças e jovens, a fazerem o mesmo.
Dica do Idec: O Idec luta para garantir o direito do consumidor à proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, defende a necessidade de rótulos mais claros e honestos e a regulação da publicidade de alimentos, principalmente para o público infantil. Contribua para que a gente continue com esse trabalho!
Fonte: adaptação do conteúdo do Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde. Acesse e leia o Guia!

Clima extremo ameaça a Ásia meridional

A Ásia meridional necessita de aproximadamente US$ 73 bilhões ao ano, de agora até 2100, para adaptar-se ao impacto negativo da mudança climática, se for mantida a atual elevação de temperatura.

Por Amantha Perera, da IPS – 

Polonnaruwa, Sri Lanka, 20/10/2016 – O Sri Lanka está cozinhando, literalmente. Na primeira semana deste mês, o Departamento de Meteorologia registrou temperatura máxima entre dois e cinco graus acima da média em algumas zonas do país. Na província Central do Norte, uma região vital para o cultivo de arroz,chegou a 38,3 graus Celsius. A seca prolongada já afetou cerca de 500 mil pessoas, o que levou numerosas agências governamentais e o exército a distribuir água potável em algumas áreas.

Um homem anda de bicicleta em um povoado afetado pela seca na região de Mahavellithanne, 350 quilômetros a nordeste de Colombo, capital do Sri Lanka, onde a temperatura máxima passou dos 38 graus Celsius na primeira semana deste mês. Foto: Amantha Perera/IPS

Um homem anda de bicicleta em um povoado afetado pela seca na região de Mahavellithanne, 350 quilômetros a nordeste de Colombo, capital do Sri Lanka, onde a temperatura máxima passou dos 38 graus Celsius na primeira semana deste mês. Foto: Amantha Perera/IPS

No entanto, quando a ajuda não é suficiente ou demora, as comunidades dependem de fornecedores privados que cobram de US$ 0,03 a US$ 0,07por cada garrafa de um litro.“Essa situação se mantém há três meses”, afirmou o agricultor Ranjith Jayarathne. E a situação acaba sendo irônica, porque há três meses a região sofria inundações.No começo de maio as fortes chuvas associadas ao ciclone Roanu deixaram vastas partes do país debaixo de água, o que causou deslizamentos de terra, deixando meio milhão de pessoas desamparadas e mais de 150 mortas ou desaparecidas.

Mas não é só o Sri Lanka que sofre as severas consequências da variabilidade climática.Um estudo do Banco de Desenvolvimento Asiático (BDA) concluiu que toda a região da Ásia meridional poderá perder 1,3% do produto interno bruto (PIB) anual combinado até 2050, mesmo se a elevação da temperatura global for mantida em dois graus. Depois dessa data, as perdas poderão disparar até cerca de 2,5% do PIB.

Se a temperatura global aumentar acima de dois graus, as perdas chegarão a 1,8% do PIB até 2050, e a arrepiantes 8,8% até 2100, segundo o estudo do BDA. Enfrentar essa realidade não sairá barato. A Ásia meridional necessita de aproximadamente US$ 73 bilhões ao ano, de agora até 2100, para adaptar-se ao impacto negativo da mudança climática, se for mantida a atual elevação de temperatura.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) disse que as chuvas de monção foram mais copiosas do que o habitual este ano, o que somado a uma série de tufões e tempestades tropicais, entre junho e começo de agosto, causaram graves inundações localizadas em vários países e diversas regiões, que deixaram centenas de mortos, milhões de deslocados e enormes prejuízos para a agricultura e a infraestrutura.

Também foram registradas perdas na pecuária, de alimentos armazenados e de outros bens. Os países mais afetados são Birmânia (Myanmar), Bangladesh, Butão, China, Índia, Nepal, Paquistão e Sri Lanka.Se o clima atual se mantiver, países como Bangladesh e Sri Lanka sofrerão graves consequências. O estudo do BDA diz que as perdas econômicas no primeiro chegarão a 2% do PIB anual até 2050, as quais também poderão disparar para 8,8% até 2100.

Além disso, a produção anual de arroz poderá cair 23% até 2080 nesse país, onde a agricultura emprega metade da população economicamente ativa, o que afetaria cerca de 60 milhões de pessoas.Inclusive, Daca poderia perder 14% de seu território para as aguas se o nível do mar aumentar um metro, podendo ser pior para a região de Khulna e para o delicado ecossistema costeiro de mangues de Sundarbans, destaca o documento.

02No leste de Bangladesh, várias mulheres esperam pela entrega de água potável na aldeia de Chenchuri, a 300 quilômetros da capital Daca. Foto: Amantha Perera/IPS

Os vizinhos de Bangladesh também correm cada vez mais riscos, de acordo com a avaliação do BDA. O Nepal poderá perder até 10% do PIB até 2100,por causa do derretimento das geleiras e outros eventos climáticos extremos, enquanto na vizinha Índia a produção agrícola poderia cair 14,5% até 2050, diz o informe.

Além disso, os oito mil quilômetros de costa da Índia também estão em perigo pelo aumento do nível do mar. Atualmente, 85% das necessidades hídricas do setor agrícola são cobertos com métodos de irrigação, e estas poderiam crescer com o aumento da temperatura, pois as reservas subterrâneas poderão se esgotar.

Por sua vez, o Sri Lanka já sofreu flutuações na produção de arroz e outros cultivos nos últimos anos pelas variações das monções. O BDA alerta para a possibilidade de a fundamental produção de chá cair pela metade até 2080.O Programa Mundial de Alimentos (PMA) diz que o rápido desenvolvimento que o paíshavia registrado já acusou o golpe desferido pela extrema variabilidade climática.

OSri Lanka figura entre os países de baixa e média rendas desde 2010, mas “as melhoras no desenvolvimento humano e na situação nutricional de meninas e meninos, adolescentes e mulheres permanecem paralisadas. O aumento da frequência dos desastres naturais, como secas e inundações repentinas, aumentam a insegurança alimentar e nutricional”, diz o PMA.

Cerca de 4,7 milhões de pessoas estão subalimentadas, aproximadamente 23% da população, segundo o documento Estado da Insegurança Alimentar no Mundo de 2015. Além disso, quase uma em cada quatro crianças tem baixo peso e anemia. E, segundo uma análise do PMA sobre o custo da dieta, 6,8 milhões de pessoas, ou 33% dos mais de 20 milhões de habitantes do Sri Lanka, não podem arcar com o custo mínimo de uma dieta nutritiva.

Os especialistas dizem que esse país ainda tem lições a aprender sobre as perdas cíclicas de colheitas que sofreu na última década pela irregularidade do clima.

“As pessoas ainda devem compreender o alcance dos eventos climáticos extremos”, pontuou à IPS Kusum Athukorala, uma das presidentes do Grupo Assessor de Gênero para o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos do PMA. O Sri Lanka precisa de um plano de gestão que vincule todos os atores e um programa sólido para criar consciência sobre a importância da água, acrescentou.

Em um claro exemplo de má coordenação, o Departamento de Irrigação se mostra contrário a ceder água para irrigar os arrozais nas áreas afetadas pela seca. Os funcionários desse órgão argumentam que não podem se arriscar a uma escassez hídrica. Athukorala também destacou a necessidade de uma gestão hídrica em escala local. “As soluções devem vir de todos os setores”, enfatizou.

Especialistas como Athukorala afirmam que, com uma boa coordenação entre as agências nacionais, não haveria essas desconexões. Funcionários governamentais da Ásia meridional compreendem a gravidade da situação, mas dizem que seus governos estão diante de um delicado equilíbrio, entre desenvolvimento e resiliência climática.

“Atualmente, a prioridade é fornecer alimentos a cerca de 160 milhões de pessoas” (em Bangladesh), declarou Kamal Uddin Ahmed, secretário do Ministério de Florestas e Ambiente. “Precisamos garantir que temos políticas climáticas corretas e que não se reduza o crescimento”, explicou. Envolverde/IPS

Plataforma do PNUD apresenta indicadores sociais de 20 regiões metropolitanas do Brasil

Atlas do Desenvolvimento Humano das Regiões Metropolitanas Brasileiras disponibiliza informações do IDH municipal e outros 200 indicadores socioeconômicos. Objetivo é melhorar elaboração de políticas públicas para as cidades. Iniciativa é tema de apresentações na Terceira Conferência da ONU sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável, a Habitat III.

Foto: Agência Brasil / Marcelo Camargo

Foto: Agência Brasil / Marcelo Camargo

Para disponibilizar dados sobre 20 regiões metropolitanas brasileiras — de um total de 70 espalhadas pelo país —, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) criaram uma plataforma online com informações sobre educação, renda, trabalho, demografia, longevidade, habitação e vulnerabilidade de grupos específicos. O objetivo é melhorar as políticas públicas para as cidades.

A iniciativa é tema de apresentações da Terceira Conferência da ONU sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável, a Habitat III, que teve início na segunda-feira (17) e termina na próxima quinta (20).

Criado também em parceria com a Fundação João Pinheiro, o Atlas do Desenvolvimento Humano das Regiões Metropolitanas Brasileiras utiliza informações do projeto Atlas Brasil, que avaliou as condições de vida em 5.565 municípios.

Além de apresentar o índice de desenvolvimento humano de cada cidade (IDHM), o portal exibe outros 200 indicadores socieconômicos e sua evolução de 2000 a 2010 nas 20 regiões analisadas. Entre as regiões metropolitanas avaliadas, estão São Paulo, Distrito Federal e Entorno, Rio de Janeiro, Manaus, Maceió, Curitiba, Porta Alegre, entre outras.

“O Atlas é um instrumento de democratização da informação que pode auxiliar na melhoria da qualidade de políticas públicas”, destaca a coordenadora do

O Banco Mundial estima que, até 2035, a maior parte das pessoas extremamente pobres estarão em áreas urbanas.

Relatório de Desenvolvimento Humano no PNUD, Andréa Bolzon.


Segundo a especialista, com a plataforma “é possível perceber que a desigualdade em nível ‘intrametropolitano’ ainda persiste como realidade tanto no Sudeste quanto no Nordeste”.

“Dentro da mesma região metropolitana, por exemplo, a diferença em termos de esperança de vida ao nascer pode chegar a mais de dez anos entre uma Unidade de Desenvolvimento Humano (UDHs) e outra, quer estejamos em Campinas ou em Maceió”, explica Bolzon.

As UDHs — que podem ser analisadas separadamente na plataforma — são áreas menores que bairros nos territórios mais populosos e heterogêneos, mas iguais a municípios inteiros quando estes têm população insuficiente para desagregações estatísticas.

Piscinas biológicas substituem cloro por plantas

Piscinas biológicas substituem cloro por plantas

Nada melhor do que mergulhar em uma piscina em um dia de calor, não é mesmo? Nem sempre. A quantidade de agentes químicos e cloro na água pode estragar toda a empolgação de um banho refrescante. Essas substâncias são usadas para eliminar as bactérias e fungos, mas podem ser substituídas por plantas aquáticas.

Trata-se de um sistema de filtragem que utiliza micro-organismos e plantas. Para isso, as chamadas piscinas biológicas são divididas em duas partes: área de natação e área de plantas. A divisão é importante, principalmente, para o banhista não mergulhar entre as plantas, que podem conter insetos e girinos.

Foto: Biopiscina

As plantas são responsáveis por produzirem biomassa, através da fotossíntese, que será consumida pelos micro-organismos. Estes, por sua vez, transformam a matéria orgânica em substâncias inorgânicas (dióxido de carbono, água e sais minerais – nitratos, fosfatos, sulfatos, entre outros) – que são necessárias para o crescimento das plantas e, consequentemente, forma um ciclo de trocas de matéria e energia.

Foto: Biopiscina

É preciso escavar o terreno (de pelo menos 10×15 metros) onde será instalada e utilizar uma tela impermeável para protegê-la. Essa tela ficará invisível após o término da construção e o aspecto será muito semelhante a um lago artificial.

Foto: Biopiscina

As plantas utilizadas neste tipo de instalação são criadas em viveiros por empresas especializadas. As espécies vão purificar a água sempre que liberarem oxigênio, o que ocorre durante o processo de fotossíntese.

Para ter uma piscina deste tipo em casa é preciso contratar os serviços de uma empresa especializada em piscinas biológicas, o que ainda não é muito fácil de encontrar no Brasil. Outra desvantagem é o custo inicial elevado. Em compensação, o investimento para mantê-la é reduzido e o consumidor terá um ambiente totalmente natural e saudável, que não requer o uso de químicos ou cloro.

Foto: Biopiscina

Ela também não requer equipamentos elétricos, portanto não existem custos energéticos. Do ponto de vista arquitetônico, as piscinas biológicas ainda têm a vantagem de se integrarem melhor à paisagem.

Foto: Biopiscina

Foto: Biopiscina

Foto: Biopiscina

Redação CicloVivo

Moringa, a planta que purifica a água e poderia acabar com a fome mundial

Conheça as propriedades da moringa, a resistente planta que traz esperança para o mundo

Meninos com a moringa

Preocupados com as alterações climáticas, cientistas têm procurado alternativas alimentares que sejam resistentes a adversidades e ao mesmo tempo mega nutritivas. Esse é o caso da jaca e da moringa. Em nosso país, a moringa é mais comum no norte, mas mesmo assim poucos brasileiros conhecem a planta. O vegetal é originário da Ásia e da África e cresce em áreas semiáridas tropicais e subtropicais. A planta traz uma série de benefícios, tanto para saúde e nutrição, quanto para economia e meio ambiente. Se cada família que habita os trópicos tivesse uma árvore de moringa plantada no quintal de casa, haveria menos fome e desnutrição no mundo.


No universo dos chamados “superalimentos”, a Moringa tem ganhado destaque. Existem 13 variedades da planta, que é da família Moringaceae – as mais comuns são a moringa oleífera e a moringa stenopetala. A árvore da moringa cresce muito rápido e pode chegar a até 12 metros de altura. Seus galhos são carregados de pequenas folhinhas verdes que são incrivelmente nutritivas. A planta se adapta bem em regiões de difícil proliferação de vegetais, em locais muito quentes e muito secos. Além disso, o alimento supre necessidades básicas, fornece energia e mantém os corpos nutridos. Na África e nas Filipinas, muitas famílias plantam uma árvore de moringa em seus quintais para garantir uso para consumo próprio. Todas as  partes da planta são utilizáveis. Folhas, vagens verdes, flores e sementes têm rico valor alimentar, e todas as partes da planta, incluindo raízes, têm uso medicinal.


O que mais surpreende os pesquisadores é a riqueza da moringa oleiferera ou acácia-branca em relação à quantidade de nutrientes. Ela não só possui uma grande variedade de antioxidantes, proteínas, vitaminas e sais minerais, mas também os possui em alta concentração. A planta possui sete vezes mais vitamina C que a laranja, quatro vezes mais vitamina A que a cenoura, duas vezes mais proteína do que o iogurte, quatro vezes mais cálcio que o leite de vaca, três vezes mais ferro que o espinafre e três vezes mais potássio que a banana. Além disso, o vegetal possui todos os aminoácidos essenciais que nosso corpo não produz. Por esse motivo, a moringa é considerada a “árvore milagrosa”.


Na Etiópia, a espécie mais comum de moringa é a stenotepala, que é largamente plantada nas encostas das montanhas em Konso, e ao redor das casas e cabanas de palha dos habitantes. A planta garante um mínimo de elementos nutritivos para a população do local, especialmente para as crianças.

Suas folhas têm um sabor levemente picante, semelhante ao agrião. Elas podem ser consumidas de diversos modos, como cruas em saladas, ou cozidas em sopas. Um prato muito apreciado na Indonésia e no Timor Leste é feito com suas flores fritas em óleo de coco e depois imersas em leite de coco. A iguaria se chama makansufa e é comida com arroz ou milho. Suas flores também dão um belo aspecto quando utilizadas em saladas e são amplamente utilizadas na preparação de chá. Suas vagens verdes têm sabor parecido ao grão de bico e podem ser consumidas cozidas. Quando a planta é jovem e tem em média 30 cm, suas raízes possuem uma reserva nutricional e podem ser ingeridas. De sabor picante, elas podem ser consumidas em saladas ou refogados. Contudo, após esse período, a raiz seca e não pode mais ser ingerida. O óleo extraído de suas sementes é passível de ser utilizado em diversas receitas.

A absorção dos nutrientes depende muito da forma com que o vegetal é preparado. Ao ferver por longos períodos e jogar o caldo do cozimento fora, muitas vitaminas fundamentais para a nutrição são desperdiçadas. Uma forma eficiente de consumir a planta é secando suas folhas e a transformando em um pó semelhante ao matcha, pois desse modo seus nutrientes são conservados.

Moringa em pó

No sudoeste Senegal, no período de 1997 a 1998, pesquisadores ensinaram a receita a clínicas locais, médicos e enfermeiras, para salvar crianças, mulheres grávidas ou amamentando da morte por desnutrição. As mães foram orientadas a ingerir esse pó nas refeições para produzir mais leite durante o período de amamentação.

moringa suplemento

Seu uso como suplemento dietético está em expansão, e o pó de moringa tem sido comercializado para complementar uma possível falta de vitaminas e proteínas. Além do formato em pó, que pode ser adicionado a diversas receitas, existe também a versão em cápsulas.

Propriedades medicinais

A moringa é uma das plantas utilizadas pela tradicional medicina ayurveda. Segundo a ayurveda, a planta auxilia no tratamento e prevenção de 300 doenças. Dentre as propriedades alardeadas, algumas foram recentemente verificadas pela comunidade científica. Estudos mostram que a planta é um potencial larvicida e repelente do mosquito Anopheles stephensi que é vetor da malária e do Aedes aegypit, que transmite a dengue. Além disso, pesquisas mostram que um composto da planta é inibidor da leishmaniose.

Outro estudo demonstrou que infusões de água quente de flores, folhas, raízes, sementes e talos ou casca de moringa têm atividades antiespasmódica, anti-inflamatória e diurética. A planta ainda é apontada como antipirética, antiepiléptica, anti-inflamatória, antiúlcera, anti-hipertensiva, antitumoral, redutora do colesterol, antioxidante, antidiabética, antibacteriana e antifúngica.

Na medicina tradicional, o suco de flor moringa é utilizado para melhorar a lactação humana e o chá de suas folhas é indicado para resfriados e infecções. As flores frescas são recomendadas para combate a anemia, úlceras gástricas e diarreia. Já para picadas de insetos, feridas ou problemas de fungos na pele, os habitantes locais utilizam uma pasta feita com suas folhas.

Diferentes usos

Como visto acima, todas as partes dessa generosa plantinha são aproveitadas. Seja para a alimentação ou em remédios alternativos. Contudo a planta tem outras potencialidades que vêm sendo estudadas. O óleo de sua semente possui importância industrial e é aproveitado para lubrificar maquinarias delicadas, é também empregado em cosméticos como perfumes e utilizado para biocombustível. A planta também é usada como forrageira, para alimentar carneiros, cabritos, coelhos, galinhas caipiras, vacas leiteiras. E como a planta floresce o ano todo, suas flores são uma opção na alimentação de abelhas.

Outro fator que ressalta a importância da planta é seu potencial de realizar um tratamento químico da água ao decantar bactérias e resíduos. Após macerar as sementes de moringa e adicionar à água, ela atrai argila, sedimentos e bactérias, que se acumulam no fundo do recipiente e deixam a água clara e potável. Ela melhora em 99% a qualidade da água com seu efeito purificador.

Três sementes purificam cerca de um litro de água. O ideal é utilizar sementes colhidas recentemente para o tratamento de água. O tempo ideal de decantação da água é de 90 minutos. Quanto maior o tempo e repouso, maior a quantidade de partículas irão se acumular no fundo do recipiente. Após esse processo a água precisa ser filtrada, coar com um pano já faz esse trabalho. Coar é muito importante pois o material orgânico decantado inicia um processo de decomposição após o tratamento.

moringa agua

Diversos estudos analisam um composto ativo à base da semente da planta, que poderia ser implantado como uma alternativa viável de agente coagulante em estações de tratamento da água convencionais. Atualmente são utilizados produtos químicos como sais de alumínio para realizar a coagulação e a floculação da água, resultando em um lodo com compostos químicos que não podem ser descartados de qualquer maneira. Contudo, com o uso da moringa, forma-se um lodo totalmente biodegradável que não oferece riscos ao meio ambiente. Pesquisas mostram que sementes de moringa oleífera não alteram significativamente o pH e a alcalinidade da água e não causam problemas de corrosão. Tanto sementes da stenopatala, como da oleífera possuem as mesmas propriedades purificadoras da água.

De acordo com o Instituto Trata Brasil, seis milhões de brasileiros não têm acesso à água tratada. Por isso, a expansão da moringa no território brasileiro é essencial.

Atualmente a planta é conhecida no estado do Maranhão e vem sido difundida no sertão nordestino.

O vegetal cresce onde mais se precisa dela. A região entre os trópicos é assombrada pelas mortes por desnutrição e ingestão de águas contaminadas. A resistência da moringa traz a esperança de uma água limpa e uma rica fonte alimentar para esses locais que sofrem tanto com o clima e com o solo. Com todos seus atributos, é difícil não reconhecer a moringa como uma das plantas mais generosas do planeta.