Entrevista de Fernando Guida en ESTRATEGIAS QUE SUMAN 11AGO17, Radio Demos Visual, Argentina:

Akka Technologies: “El coche del futuro será autónomo, conectado, eléctrico y seguro”

Akka Technologies: “El coche del futuro será autónomo, conectado, eléctrico y seguro”

Akka Technologies: “El coche del futuro será autónomo, conectado, eléctrico y seguro”

MADRID, ESPAÑA// Akka Technologies compra Gigatronik una compañía alemana especialista en conectividad, tecnología digital, conducción autónoma y, en general, alta tecnología aplicada a la movilidad. En palabras de Ricardo Prieto, responsable de automoción de la firma en España: “Con esta adquisición, Akka Technologies mejora su Expertise en competencias ineludibles para el coche del futuro”.

Las conclusiones de los expertos participantes en el Salón de Automóvil recientemente celebrado en Barcelona, confirman que motor eléctrico, autonomía y conectividad serán las tres características que definirán los coches del futuro. Se prevé que sólo durante este año se venderán más de 50 millones de coches inteligentes a nivel mundial. Además, se define el año 2025 como un año clave para el sector de la automoción ya que la llegada de los coches autónomos y conectados marcará el inicio de una nueva era en la que durante muchos años convivirán con los vehículos de conducción convencional.

Los coches eléctricos son ya una realidad. Las principales ventajas de usar electricidad son una mayor eficiencia y menor contaminación ya que convierten en movimiento más del 90% de la energía que consumen. “La movilidad sostenible es uno de los principales objetivos de los fabricantes de automóviles. Los coches eléctricos son la opción más ecológica dentro del sector de la automoción. Además, gracias a los motores eléctricos, se pueden introducir nuevas estrategias de frenado y recuperación de energía”, asegura Ricardo Prieto.

La autonomía y la conectividad serán las grandes protagonistas del coche del futuro, que anuncia su incipiente llegada en tan sólo 7 años cuando se prevé que comiencen a convivir con los coches convencionales. Mientras llega ese tiempo, la conectividad sigue evolucionando y se incrementa la multitud de actividades que el coche puede realizar de manera autónoma. “Efectividad, fluidez del tráfico, mayor potencia y menores errores en la conducción serán las principales ventajas que ofrecen la autonomía y la conectividad en los vehículos. Todos estos elementos integrados en un mismo automóvil mejorarán considerablemente el sector de la automoción”, destaca Ricardo Prieto. La ciberseguridad, uno de los temas protagonistas del Salón del Automóvil de Barcelona, será otra de las claves del coche autónomo ya que descenderá notablemente el número de siniestros en carretera al poder eliminar el error humano.

La automoción, un sector clave en AKKA Technologies

El sector de la automoción es uno de los grandes protagonistas dentro del Grupo AKKA Technologies. Las actividades que se desarrollan en este ámbito son muy amplias dando prioridad a los proyectos en I+D+I que suponen una verdadera evolución y progreso tanto para los clientes como para la empresa. “Nuestros clientes se benefician de nuestra experiencia en ámbitos muy diversos: gestión de la energía, conectividad, baterías para la electrificación y la interconectividad, sistemas avanzados de asistencia al conductor, telemática, navegación, seguridad robótica, diagnósticos y servicios de mantenimiento entre otras. La posibilidad de aportar todos estos conocimientos e integrarlos en un mismo vehículo permite a AKKA Technologies ser un referente mundial en el sector de la automoción”.

Además, AKKA Technologies ha desarrollado su propio vehículo autónomo y conectado, el Link&Go 2.0 diseñado específicamente para llevar al usuario donde quiera y no para que lo conduzcan. “Proyectos de investigación como este son grandes retos que nos permiten conseguir una importante evolución en el sector de la automoción dentro de la empresa. En España, contamos con clientes tan importantes como Seat, Grupo Antolín, Renault, Valeo, Plastic Omnium, Lear, Faurecia entre otros y cada día, nos enfrentamos a retos más complicados que requieren de una formación completa y en paralelo a la evolución del sector”.

Foto:  AKKA Technologies Spain

ZOO ILÓGICO

Why Photo of a Mother Polar Bear Hugging Her Baby in Zoo Enclosure is Anything But Cute

You’d be hard-pressed to find someone who is unfamiliar with the plight of polar bears. These animals are awe-inspiring and symbolic of the unconquerable frozen regions of the North Pole, however, in recent years, this status has diminished significantly. Driven by rampant greenhouse gases and climate change, the polar bear’s Arctic home has been receding rapidly. Because of this loss of ice, polar bears are unable to hunt or subsist in their environment, the U.S. Geological Survey projects that two-thirds of polar bears will disappear by 2050. Times have become so dire for this species that they’ve been observed resorting to eating dolphins, and traveling further into human territory – one haunting image even showed a polar bear rummaging through a landfill in search of food. The fact is, this species is in grave danger of extinction.

While their native home is melting away, polar bears are being placed in captivity and put on display in an effort to “raise awareness” for their plight. Although the wild polar bear is hanging on for survival, there seems to be at least one polar bear in zoos across the world. Some argue that keeping these animals in captive environments is the one way that we can ensure that they will endure for future generations – given that the wild is not a “safe” place for them anymore. It is also believed that getting people to see these animals up close and personal will inspire them to stand up for the species – in a way that they wouldn’t otherwise.

The reality, however, is that captivity, in no way benefits the polar bear – or any other – species. A growing body of evidence suggests that the act of watching an animal languish in a small enclosure does not, in fact, teach children or adults about the importance of conserving these species in the wild. Rather, zoos exist for entertainment and profit purposes that come at the great expense of the animals. Something this heartbreaking image illustrates with great clarity.

This baby will never know the wild home she was meant to live in. Nor will she understand what it truly means to be a polar bear.

HSjiigF

This image has been construed as a sweet moment between a mother and her baby, but that betrays the profound reality of their sad situation. In captivity, these animals will only ever get to experience a small fraction of what their lives could have been. In the wild, they would have had miles and miles of ice to roam across and enjoy the thrill of hunting and interacting in family and social groups. Their lives would have had a very distinct meaning and purposeentirely of their own volition. Instead, they are confined to a glorified prison cell that is artificially cooled and packed with ice to keep them “comfortable.” The extreme boredom and frustration with this tiny ice box will likely lead them to exhibit stereotypic behaviors such as pacing or head bobbing. These pointless, repetitive actions are thought to be physical manifestations of extreme mental distress. According to Polar Bears International, “Some 85 percent of North American polar bears [in zoos] do it, devoting nearly a quarter of their “active day” (i.e. the time they spend alert and moving) to this behavior.”

If anything, this image is a harsh reminder that we owe these incredible animals so much more than a life in captivity. We owe them their wild home and a life free from the threat of starvation, boredom, or any other harm inflicted by humans.

The only way to really protect these animals is by saving their habitat – and this is something we can all do every single day by simply choosing to #EatForThePlanet. The United Nations Food and Agriculture Organization (FAO) estimates that livestock production is responsible for 14.5 percent of global greenhouse gas emissions, while other organizations like the Worldwatch Institute have estimated it could be as much as 51 percent. Additionally, this destructive industry currently occupies over half of the world’s arable land resources, and uses the majority of our freshwater stores. This system causes rampant air and water pollution, land degradation, deforestation and is pushing countless species to the brink of extinction. And yet, one in eight people still suffer from food scarcity.

“The real war against climate change is being fought on our plates, multiple times a day with every food choice we make,” said Nil Zacharias, co-founder and Editor-in-Chief of One Green Planet, ”one of the biggest challenges facing our planet, and our species is that we are knowingly eating ourselves into extinction, and doing very little about it.”

As the leading organization at the forefront of the conscious consumerism movement, it is One Green Planet’s view that our food choices have the power to heal our broken food system, give species a fighting chance for survival, and pave the way for a truly sustainable future. By choosing to eat more plant-based foods, you can drastically cut your carbon footprint, save precious water supplies and help ensure that vital crop resources are fed to people, rather than livestock. With the wealth of available plant-based options available and One Green Planet’s Food Monster App, it has never been easier to eat with the planet in mind.

Click on the graphic below for more information

BANNERplate

 

For more news like this follow us on Facebook and Twitter. Subscribe to our daily newsletter here.

Check out more animal stories here

Click here to see our archive of 5,000+ amazing vegan recipes. 

Learn more about our campaigns and join our movement of forward-thinkers, conversation-starters, change-makers, and unleash your Green Monster!

1. #EatForThePlanet:  Take control of the damage being caused by animal agriculture and show the world how the fork can be an incredibly effective tool in the fight against climate change.

2. #CrushPlastic:  Take action to cut plastic waste at the source and give marine life a fighting chance.

ECO21 – O Brasil na contramão com o desmatamento e a energia nuclear

Por Lúcia Chayb e René Capriles, da revista ECO21 – 

Diversos acontecimentos neste mês de Julho chamaram a atenção particularmente no Brasil. No campo político, a possível abertura de um processo de impeachment ao Presidente Temer na Câmara dos Deputados foi o fato mais significativo. Nas suas articulações, o Presidente Temer decidiu agradar a bancada ruralista enviando ao Congresso Nacional um Projeto de Lei que diminui em 350 mil hectares a Floresta Nacional do Jamanxin, uma das principais Unidades de Conservação do país. Este PL, segundo diversos analistas e organizações ambientalistas, como o IPAM Amazônia, “anistia a grilagem e pode gerar um desmatamento adicional de mais de 138 mil hectares, até 2030, provocando a emissão de 67 milhões de toneladas de CO2. Se passar, o PL representará uma confirmação de que o desmatamento fugiu do controle e que, paradoxalmente, tem o aval do Governo”.

O desmatamento do Bioma Chaco, no Paraguai, para fazer carvão, e na, Bolívia, para plantar soja, se soma à destruição do Cerrado que muito em breve será transformado num deserto sem recursos hídricos. Essa situação leva a uma análise mais aprofundada sobre o desaparecimento das florestas tropicais no mundo. O Professor Luiz Marques da UNICAMP, num artigo recente adverte que estaríamos vivenciando o último século das florestas tropicais. Reproduzindo dados de 2001 do Earth Observatory da NASA ele informa: “se a taxa atual de desmatamento continuar, as florestas tropicais desaparecerão dentro de 100 anos, provocando efeitos desconhecidos sobre o clima global e eliminando a maioria das espécies vegetais e animais no Planeta”.

Essa observação se encontra fundamentada em observações de imagens de satélite e nelas a região amazônica figura em primeiro lugar. No dia 10 deste fatídico Julho, a publicação científica PNAS da Academia Nacional de Ciências dos EUA, alertou que a atividade humana está precipitando a “aniquilação biológica” e promovendo um evento de extinção em massa, que seria o sexto fenômeno deste tipo na evolução da vida na Terra. Dois dias depois, aconteceu o colapso da plataforma de gelo Larsen C na Antártida, provocando a formação de um gigantesco iceberg, estimado em um trilhão de toneladas de gelo. O iceberg tem quase a mesma área de algumas ilhas muito conhecidas; é maior que Bali, Trinidad e um pouco menor que Córsega, Chipre ou Porto Rico.

Mas a dramática realidade planetária não se limita a isso, neste mês a National Oceanic & Atmospheric Administration (NOAA) dos EUA revelou o aparecimento de uma gigantesca “zona morta” no Golfo do México de 15 mil km2, quase 15 vezes o tamanho da cidade do Rio de Janeiro, onde a água não tem oxigênio suficiente para que os peixes sobrevivam. Isso se deve aos agrotóxicos e produtos químicos utilizados pelos agricultores a quilômetros de distância.

É o que o jornalista e ambientalista Dal Marcondes chama de “terra envenenada” citando um informe da FAO: “os solos estão contaminados por conta das atividades dos homens, que descartam uma grande quantidade de produtos químicos nas áreas utilizadas para produzir alimentos”. Por sorte surge uma esperança, Nicolas Hulot, Ministro da Transição Ecológica e Solidária da França de Macron, decidiu banir alguns agrotóxicos, fechar l7 centrais nucleares até 2025, proibir até 2040 o uso de carros com combustível fóssil, e levar a França a zerar as emissões de CO2 até 2050.

Na Coreia do Sul, O novo Presidente Moon Jae-In, prometeu que o país acabará com a dependência de energia nuclear e investirá em fontes de energia renováveis. Ele espera que o país entre em uma “era livre da energia nuclear” assim como o governo espanhol que decidiu fechar a sua central nuclear de Santa Maria Garoña, a mais antiga do país. Enquanto isso o Brasil vai à contramão pensando em terminar de construir a central nuclear de Angra 3.

Acompanhando as boas notícias, a empresa Tesla concluiu uma enorme usina solar de 55.000 painéis na ilha havaiana de Kauai, que permitirá o armazenamento de energia em escala industrial. Como resultado, 44% da energia da ilha virão de fontes renováveis. Será a primeira iniciativa solar a fornecer energia de forma confiável 24 horas por dia, 7 dias por semana. O Havaí estabeleceu metas de eliminar todas as fontes de energia não renováveis até 2045. Aloha spirit!

Leia a revista ECO21 de julho/2017 através do link: www.eco21.com.br

Curso online da ONU sobre mudanças climáticas está disponível em português

O curso em português sobre mudanças climáticas é fruto de parceria entre o governo brasileiro, a UNESCO no Brasil e o UN CC: Learn, projeto que envolve mais de 35 agências das Nações Unidas.

A versão em português será lançada em evento da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, na terça-feria (15), às 15h30, no Teatro João Caetano (Rua Borges Lagoa, 650, Vila Clementino, São Paulo, SP).

Ilhas Rabi, Fiji. A elevação do nível dos oceanos e as mudanças climáticas são ameaças à existência das ilhas do Pacífico. Foto: OCHA/Danielle Parry

Ilhas Rabi, Fiji. A elevação do nível dos oceanos e as mudanças climáticas são ameaças à existência das ilhas do Pacífico. Foto: OCHA/Danielle Parry

Programa UN CC: Learn é a maior iniciativa de educação da ONU sobre mudança climática. O curso online introdutório é gratuito, pode ser feito de acordo com a disponibilidade do usuário, e oferece informações claras, concisas e atualizadas para quem pretende saber mais sobre o assunto. Mais de 10 mil pessoas, de vários continentes, já fizeram o curso, que está disponível em cinco línguas. O programa de estudos e informações sobre a iniciativa podem ser acessadas em www.unccelearn.org.

O curso em português é fruto de parceria entre o governo brasileiro, a UNESCO no Brasil e o UN CC: Learn, projeto que envolve mais de 35 agências das Nações Unidas e oferece cursos online sobre mudança climática para atender a demanda por especialistas no assunto. A versão em português do curso será lançada em evento da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, na terça-feria (15), às 15h30, no Teatro João Caetano (Rua Borges Lagoa, 650, Vila Clementino, São Paulo, SP).

“O curso é um grande recurso e estamos muitos felizes em poder promover sua disseminação na sociedade”, disse Renata Maranhão, diretora do Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (MMA). “Enquanto o Brasil avança, serão muitos os desafios relacionados à mudança climática e, desta forma, o treinamento é necessário para preparar a sociedade para o futuro”, declarou Felipe Felisbino, coordenador-geral de Educação Ambiental do Ministério de Educação (MEC).

“A educação é transversal e essencial para o cumprimento de todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A mudança climática, tema de um dos ODS, é muito importante e seus processos devem ser compreendidos para que possamos lidar com o assunto. O curso online de mudança climática, traduzido para o português pela UNESCO no Brasil, é uma excelente ferramenta que contribuirá na busca por uma forma mais sustentável de viver”, afirmou Marlova Jovchelovitch Noleto, representante interina da UNESCO no Brasil. Quem finaliza o curso recebe um certificado emitido pela UNITAR, a Agência de Treinamento das Nações Unidas (www.unitar.org), e a tradução do curso para o português possibilita a sua disseminação em países de língua portuguesa.

Angus Mackay, representante do Secretariado do Programa UN CC:Learn, complementa: “esperamos que esse curso em português contribua para uma melhor qualidade dos conhecimentos sobre mudança climática nos países lusófonos e para a formação de profissionais qualificados que atuam na superação dos desafios colocados pela mudança climática”. “O programa UN CC:Learn, em parceria com o escritório da UNESCO no Brasil, disponibilizará outros cursos da plataforma também em português”m disse.

O apoio do setor privado à iniciativa de lançamento do curso em português mostra a importância da agenda de capacitação para a sociedade. Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), afirma que “iniciativas como esta da UNITAR ampliam o acesso e o compartilhamento da inteligência sobre desenvolvimento sustentável”. “E isto é fundamental nesse momento de transição para a economia de baixo carbono. Para transformar uma sociedade é preciso antes transformar as pessoas, o que só é possível por meio do conhecimento. O CEBDS tem orgulho de ser parceiro desta iniciativa e esperamos que nossas publicações sejam úteis nos cursos oferecidos pela plataforma”.

Diversas organizações estão se comprometendo a usar a plataforma UN CC:Learn para treinamento de seus funcionários e agentes interessados. Oskar Metsavaht, fundador e diretor criativo da Osklen, presidente do Instituto-E e embaixador da Boa Vontade da UNESCO, apoia o programa. “Para nós, da Osklen e do Instituto-E, a mudança climática está na ordem do dia, basta ver os extremos que temos presenciado pelo mundo. Por isso, encorajamos todos os nossos funcionários a seguirem esse curso online”.

Sobre UN CC:Learn

O programa UN CC:Learn é uma parceria de mais de 30 organizações multilaterais que apoia países na elaboração e implementação de suas estratégias de combate à mudança climática de forma sistêmica, recorrente e medida por resultados. Em âmbito global, a parceria apoia o compartilhamento de conhecimentos, promove a elaboração de conteúdo sobre mudança climática, e coordena atividades pedagógicas em colaboração com diferentes agências das Nações Unidas e parceiros locais nos países onde atua.

Em âmbito nacional, o programa apoia os países na formulação e implementação de estratégias nacionais de aprendizagem sobre mudança climática. Atuando em âmbito global e local, o programa contribui de forma específica com o Artigo 6 da Convenção das Nações Unidas sobre a mudança do clima, que fala de treinamento, educação e maior capilaridade do conhecimento, bem como ao Programa de Trabalho 2012-2020 firmado em Doha.

O programa UN CC:Learn é financiado pelo governo suíço e por parceiros das Nações Unidas. O secretariado do UN CC:Learn é dirigido pelo Instituto das Nações Unidas para Treinamento e Pesquisa (UNITAR). Para mais informações sobre o UN CC:Learn acesse http://www.uncclearn.org/ e veja o vídeo aqui.

Sobre a UNESCO

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) é uma agência da ONU criada para trabalhar por uma cultura de paz entre os povos, por meio de ações em educação, ciências, cultura e comunicação.

A Organização tem convicção de que suas áreas de mandato têm o poder de promover um mundo mais justo, inclusivo, humano e sustentável para todos. No Brasil, a UNESCO atua por meio de projetos de cooperação para melhorar a qualidade da educação, erradicar a pobreza, promover o respeito aos direitos humanos, dar acesso à cultura e garantir direitos fundamentais.

Na área de Educação para o Desenvolvimento Sustentável, a UNESCO fornece conteúdos didáticos de qualidade para diferentes públicos, incluindo professores, gestores, jovens, crianças e profissionais de diferentes áreas que incorporam a sustentabilidade em seu dia-a-dia.

Conheça os mundos imaginários de Chad Knight

O artista norte-americano desafiou-se a criar uma obra digital por dia, durante um ano e o resultado é simplesmente fantástico!

O artista norte-americano Chad Knight começou um desafio intitulado “365 challenge“, que tinha como intenção criar uma nova peça de arte digital todos os dias como um exercício simples para ajudá-lo a melhorar o seu ofício. Em vez disso, “rapidamente se transformou em um diário visual”, relembra Knight, em entrevista ao The Creators Project.

As obras existem em seu próprio mundo, cheio de belas e assustadoras impossibilidades, como gigantescos crânios desconstruídos e um enorme homem elefante que se parece com um deus antigo e poderoso. Não há nenhuma verossimilhança que nós associamos tipicamente com o mundo real. Mas, ao mesmo tempo, Knight diz que seu diário visual é “tão fortemente codificado que eu posso compartilhá-lo com o mundo e torná-lo facilmente entendível.” Hoje, as criações que eram para ser apenas um passatempo, ganharam o mundo e o artista já pensa em uma segunda fase para o projeto. Assim esperamos!

Veja, abaixo, alguns de seus trabalhos e surpreenda-se.

https://www.instagram.com/p/BUgn7JlFy3r/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A0%2C%22os%22%3A3543.4550000000004%7Dhttps://www.instagram.com/p/BUdsKIrljuv/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A1%2C%22os%22%3A3552.1150000000002%7Dhttps://www.instagram.com/p/BUOVsBnl6BZ/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A2%2C%22os%22%3A3560.02%7Dhttps://www.instagram.com/p/BT3GAmblgKn/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A3%2C%22os%22%3A4105.280000000001%7Dhttps://www.instagram.com/p/BTyUsutlLRv/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A4%2C%22os%22%3A4685.750000000001%7Dhttps://www.instagram.com/p/BTfypg4l8v4/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A5%2C%22os%22%3A4739.79%7Dhttps://www.instagram.com/p/BSaZEpZjZI8/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A6%2C%22os%22%3A4865.415000000001%7Dhttps://www.instagram.com/p/BR9zwp2j9S4/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A7%2C%22os%22%3A5238.665%7Dhttps://www.instagram.com/p/BT-8zGwFJYu/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A8%2C%22os%22%3A5320.7300000000005%7Dhttps://www.instagram.com/p/BSlBhn6DgPH/embed/captioned/?cr=1&v=7&wp=500#%7B%22ci%22%3A9%2C%22os%22%3A5597.335%7D

Com US$ 6,6 mi, programa da ONU promoverá crescimento sustentável no cerrado brasileiro

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a organização não governamental Conservation International lançaram na segunda-feira (7), em Brasília, o projeto “Reduzindo o Desmatamento na Cadeia Produtiva de Soja”. Com investimentos de 6,6 milhões de dólares, iniciativa visa promover padrões sustentáveis na exploração da soja, em regiões do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia onde predomina o bioma cerrado.

Cerrado. Foto: Agência Brasil/Elza Fiúza

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a organização não governamental Conservation International lançaram na segunda-feira (7), em Brasília, o projeto “Reduzindo o Desmatamento na Cadeia Produtiva de Soja”. Com investimentos de 6,6 milhões de dólares, iniciativa visa promover padrões sustentáveis na exploração da commodity, em regiões do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia onde predomina o bioma cerrado.

“Por meio desse projeto, pretendemos criar uma visão comum para a expansão e a produção no cerrado brasileiro”, anunciou o diretor de país do PNUD, Didier Trebucq, no evento, que marcou não apenas o início da iniciativa, como também a abertura de um workshop de dois dias, encerrado nesta terça-feira (8), na Casa da ONU, na capital federal.

O cerrado brasileiro é o segundo maior bioma da América do Sul. Berço das três maiores bacias hidrográficas da região e um polo mundial de biodiversidade, esse ecossistema abriga povos e comunidades tradicionais que sobrevivem do manejo dos recursos naturais. No entanto, o cerrado é o bioma nacional com menor porcentagem de unidades de conservação, tanto de uso integral — apenas 2.8% de seu território —, quanto de uso sustentável — 5.3%.

Com duração prevista de três anos, a iniciativa do PNUD atuará diretamente em dez municípios no Tocantins e na Bahia. Nessas cidades, a produção agrícola incluirá critérios socioambientais que estimulem a promoção e a reprodução de boas práticas. A área visada pelo programa é conhecida pela sigla MATOPIBA, usada para indicar as zonas de produção ao longo da fronteira entre os dois estados e também entre Maranhão e Piauí.

O projeto também prevê o desenvolvimento de técnicas de restauração de áreas degradadas e desmatadas. Ferramentas deverão ter potencial de replicação em outras partes do país, além de estarem alinhadas ao cumprimento das metas firmadas pelo Brasil no âmbito do Acordo de Paris.

Combinadas ao planejamento de corredores ecológicos e zoneamento, o PNUD afirma que as estratégias do programa promoverão as parcerias necessárias para o desenvolvimento sustentável da região, numa coalizão entre sociedade civil organizada, setor produtivo local e governos em todas suas esferas. O workshop realizado em Brasília reuniu representantes desses três setores que estarão à frente da iniciativa.

A implementação do projeto ficará a cargo da Conservation International, que trabalhará em parceria com a Sociedade Rural Brasileira (SRB), a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS), a Fundação de Apoio à Pesquisa para o Corredor de Exportação Norte (FAPCEN), a Associação de Agricultores e Irrigantes de Bahia (AIBA) e a Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado do Tocantins (FAET).